Marinha mantém prontidão operacional apesar da Covid-19, diz comandante

Por Anthony Boadle
·2 minuto de leitura
Fuzileiro naval na praia do Arpoador, no Rio de Janeiro
Fuzileiro naval na praia do Arpoador, no Rio de Janeiro

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) - A prontidão operacional da Marinha do Brasil não foi afetada pelo surto do coronavírus, apesar de 8% da tropa ter sido infectada e de 549 mortes, afirmou o comandante da Força nesta terça-feira.

O almirante Ilques Barbosa minimizou o impacto da Covid-19 sobre os 80.000 homens e mulheres da Marinha, acrescentando que aqueles que foram infectados não foram todos ao mesmo tempo. A maioria daqueles que morreram era da reserva e tinha mais de 70 anos, acrescentou.

"A taxa de infecção foi muito baixa, quase irrelevante", disse o almirante a correspondentes estrangeiros em uma entrevista remota. "Nossa prontidão operacional nunca foi comprometida."

O próprio comandante contraiu a Covid-19, sem sintomas, e trabalhou em casa após teste positivo.

Separadamente, o almirante disse que o programa que visa entregar um submarino de propulsão nuclear até 2029 sofreu um atraso por questões técnicas e financeiras.

O Brasil está construindo cinco submarinos da classe Scorpene em uma joint venture com a empresa de defesa do Grupo Naval da França, anteriormente conhecida como DCNS S.A., em um programa de 6,7 bilhões de euros.

O último submarino, ainda previsto para 2029, segundo Barbosa, será de propulsão nuclear, colocando o Brasil no clube das nações com algum tipo de submarino estratégico de propulsão nuclear ao lado de Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido, China e Índia.

Mas o programa sofreu um abalo em 2016 por uma investigação de corrupção, no âmbito da operação Lava Jato. Mais recentemente, houve cortes no orçamento de Defesa e depois problemas técnicos que causaram atrasos, disse o almirante. Ele não deu detalhes.

O primeiro submarino, o S-40 Riachuelo, lançado em dezembro de 2018, deveria ser comissionado pela Marinha em setembro, mas isso só ocorrerá em junho do próximo ano, disse o almirante, acrescentando que ele ainda se encontra em testes "complexos".

O segundo submarino, o S-42 Tonelero, deveria ser entregue no próximo ano, mas só será lançado ao mar em dezembro de 2021, e o terceiro navio, um ano depois, disse Barbosa.