Marrocos: perfil do reino onde o ocidente se encontra com a cultura do Saara

A praça Djemaa el Fna, no centro de Marrakech
A praça Djemaa el Fna, no centro de Marrakech

O Reino de Marrocos é considerado o mais ocidentalizado dos países do Norte de África - a região conhecida como Magreb. O país tem saídas para o Atlântico e Mediterrâneo, um interior montanhoso e uma porção do deserto do Sahara. Outra característica marroquina é sua rica confluência de culturas, com influências árabes, europeias, berberes e de outras partes da África.

O Marrocos foi um protetorado francês entre 1912 e 1956. Após a independência, o sultão Mohammed Ben Youssef se converteu em rei, usando o título de Mohammed 5º. Foi sucedido em 1961 pelo seu filho, Hassan 2º, que governou durante 38 anos e desempenhou um papel proeminente na busca da paz no Médio Oriente. Ele também reprimiu impiedosamente a oposição interna.

FATOS

Reino do Marrocos. Capital: Rabat  [ População 35 milhões  ],[ Área 711 mil quilômetros quadrados (incluindo o Sahara Ocidental) ],[ Principal língua Árabe e berbere (oficial), francês, espanhol ],[ Principal religião Islamismo ],[ Expectativa de vida (2020): 77 anos (78 para as mulheres e 76 para os homens) ],[ Moeda Dirham ], Source: Fonte: ONU, Banco Mundial, Image: Detalhe de mosaico marroquino
Reino do Marrocos. Capital: Rabat [ População 35 milhões ],[ Área 711 mil quilômetros quadrados (incluindo o Sahara Ocidental) ],[ Principal língua Árabe e berbere (oficial), francês, espanhol ],[ Principal religião Islamismo ],[ Expectativa de vida (2020): 77 anos (78 para as mulheres e 76 para os homens) ],[ Moeda Dirham ], Source: Fonte: ONU, Banco Mundial, Image: Detalhe de mosaico marroquino

LÍDERES

Rei Mohamed 6º

O rei do Marrocos, o rei Mohamed 6º, no palácio real de Rabat em fevereiro de 2019
O rei do Marrocos, o rei Mohamed 6º, no palácio real de Rabat em fevereiro de 2019

Monarca desde 1999, Mohammed 6º deu início a mudanças políticas e econômicas liberalizantes, como a lei conhecida como mudawana, que concede mais direitos às mulheres. Ele também encampou uma investigação sobre abusos dos direitos humanos durante o governo de seu pai.

Após a chamada "Primavera Árabe" de 2010, a série de protestos por reformas no mundo árabe, uma nova constituição foi adotada, expandindo os poderes do parlamento e do primeiro-ministro, mas delegando ao rei ampla autoridade sobre todos os ramos do governo.

Primeiro-ministro: Aziz Akhannouch

Primeiro-ministro do Marrocos, Aziz Akhannouch
Primeiro-ministro do Marrocos, Aziz Akhannouch

O bilionário Aziz Akhannouch se elegeu primeiro-ministro do Marrocos em setembro de 2021. Ele é também o CEO do Akwa Group, um conglomerado energético presente em várias regiões do mundo. Akhannouch foi ministro da Agricultura entre 2007 e 2021.

Seu partido, a Assembleia Nacional dos Independentes (RNI na sigla em francês), venceu o partido islâmico conservador o Partido da Justiça e Desenvolvimento (PJD), que governou entre 2011 e 2021. Analistas políticos atribuem a derrota do PJD à crise econômica.

MÍDIA

Banca de jornal no Marrocos
Banca de jornal no Marrocos

Os meios de comunicação no Marrocos são controlados pelo governo ou refletem a linha oficial. Isso não impede que a imprensa privada veicule reportagens sobre temas sensíveis, incluindo denúncias de corrupção de alto nível.

Entre os temas que não podem ser questionados, segundo a organização Repórteres sem Fronteiras, estão "a religião, o rei e a monarquia em geral, a nação e a integridade territorial".

O governo controla ou tem participação nas duas principais redes de TV do Marrocos, RTM e 2M. Emissoras francesas e em língua árabe podem ser captadas por antenas parabólicas.

RELAÇÕES COM O BRASIL

As relações entre o Brasil e o Marrocos remetem ao consulado brasileiro em Tangier, aberto em 1861. As relações diplomáticas foram oficialmente estabelecidas no início do século 20, embora a abertura de embaixadas só tenha acontecido na década de 1970.

De acordo com o Itamaraty, Brasil e Marrocos possuem acordos em áreas como comércio e investimentos, agricultura e pecuária, defesa, cooperação jurídica, cooperação entre academias diplomáticas, entre outras.

Desde 1999, os dois países mantêm ainda um mecanismo de consultas políticas, e os parlamentos das duas nações também criaram grupos de contato direto.

Durante uma visita ao Brasil em 2004, o rei Mohamed 6º assinou um acordo-quadro comercial entre o Mercosul e o Marrocos. Em 2021, o chanceler brasileiro Carlos Alberto Franco França disse que o Marrocos é uma "ponta" para que o Mercosul estreite os seus laços com outros países árabes.

As exportações do Brasil para o Marrocos estão concentradas no açúcar, alguns cereais, principalmente milho, pimenta-do-reino e café. Na mão oposta, o Brasil compra do Marrocos principalmente pescados, como a sardinha, e fertilizantes.

LINHA DO TEMPO

Séculos 7 e 8 d. C - Invasão árabe. Idris funda a primeira grande dinastia muçulmana.

Mercado, ou souk, na cidade velha de Marrakech
Mercado, ou souk, na cidade velha de Marrakech

Séculos 10-17 - Ascensão e queda de várias dinastias e movimentos religiosos, entre eles a cultura almorávida, que no seu auge controlava o Marrocos e partes da atual Argélia e Espan

1904 - França e Espanha delimitam zonas de influência dentro do Marrocos.

1912 - Marrocos se torna protetorado francês após assinatura do Tratado de Fez.

1956 - Fim do protetorado francês, em meio a um forte movimento nacionalista e independentista. A Espanha mantém os seus dois enclaves costeiros, Ceuta e Melilla.

1957 - Sultão Mohammed Ben Youssef vira Mohammed 5º.

1961 - Morte do rei Mohammed 5º; Hassan 2º ascende ao trono.

1975-76 - Marrocos anexa o Sahara Ocidental, uma região em disputa com a Mauritânia. Desde então enfrenta uma guerra de guerrilhas liderada pela Frente Polisario, organização independentista do povo indígena saharawi.

1998 - Chega ao poder o primeiro governo liderado pela oposição de Marrocos.

1999 - Hassan 2º é sucedido pelo seu filho, Mohammed 6º.ha.