Marrocos vota em eleições gerais sobre futuro do partido islamista no poder

·2 minuto de leitura
Mulher passa diante dos símbolos dos partidos políticos que se apresentam nas eleições marroquinas, em Rabat, Marrocos, em 26 de agosto de 2021 (AFP/FADEL SENNA)

Os marroquinos votam nesta quarta-feira (8) nas eleições legislativas e locais que vão decidir o futuro do islâmico Partido Justiça e Desenvolvimento (PJD), há uma década no poder.

Ao meio-dia, a taxa de participação era de 12% em nível nacional, segundo um comunicado do ministério do Interior, o que representa dois pontos percentuais a mais do que nas legislativas de 2016.

No entanto, é a primeira vez que os cerca de 18 milhões de eleitores votam em seus 395 deputados e mais de 31.000 governantes comunais e regionais.

"Desde de manhã, a adesão dos cidadãos é notável, talvez uma prova de que a taxa de participação será respeitável e isso é muito importante", comentou o chefe de governo Saad-Eddine El Othmani, o secretário do PJD.

Para o jornal L'Economiste, a taxa de participação é "a verdadeira chave das eleições" nesta quarta-feira. Nas legislativas de 2016, a participação ficou em 43%.

As seções eleitorais abriram às 8h locais (4h no horário de Brasília) e fecham as portas às 19h locais (15h em Brasília). As primeiras estimativas de resultados devem começar a serem divulgadas à noite.

O chefe de governo sai do partido que liderar as eleições legislativas. Ele é nomeado pelo rei Mohamed VI e forma um Executivo por um mandato de cinco anos.

Neste reino de 36 milhões de habitantes, porém, as grandes decisões em setores estratégicos, como agricultura, energia e indústria, partem de iniciativas do monarca.

O PJD (islâmico moderado), liderado pelo primeiro-ministro em final de mandato Saad-Eddine El Othmani, espera se reeleger para um terceiro mandato.

O partido conquistou uma vitória eleitoral histórica após os protestos do "Movimento de 20 de fevereiro" - versão marroquina da Primavera Árabe de 2011 - que exigia o fim da "corrupção e do despotismo".

- Reforma eleitoral -

Por duas semanas, a campanha eleitoral - marcada pela ausência de grandes comícios devido à pandemia - foi bastante apática.

Nos últimos dias, porém, o tom subiu entre o PJD e seu adversário liberal, a União Nacional de Independentes (RNI), os dois favoritos na disputa.

Outros partidos que se destacam, segundo a imprensa local, são os liberais Partido Autenticidade e Modernidade (PAM) e o Partido de Istiqlal (centro-direita), ambos na oposição.

Durante a campanha, o PJD denunciou o uso "massivo" de dinheiro para comprar candidatos e votos, mas sem fornecer nomes. Já o líder do PAM, Abdellatif Ouahbi, acusou diretamente o RNI, que negou os fatos.

Com essas eleições, será a primeira vez desde seu início no Marrocos em 1960 que a distribuição de cargos será calculada a partir do número de eleitores inscritos, e não segundo os votantes.

Este novo cálculo prejudicará os grandes partidos e beneficiará os pequenos. Apenas o PJD se opôs à reforma.

isb-ko/agr/vg/es/zm/tt/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos