Marta é escolhida como a mais nova embaixadora da ONU Mulheres

Equipe HuffPost
Marta durante a Copa do Mundo Feminina da FIFA, em 2015.

Marta Vieira da Silva. Este é o nome da embaixadora da Boa Vontade para mulheres e meninas no esporte da ONU Mulheres. A nomeação da jogadora de futebol alagoana foi anunciada nesta quinta-feira (7). No cargo, ela "dedicará seus esforços para apoiar a igualdade de gênero e o empoderamento das meninas e mulheres em todo o mundo, inspirando-as a desafiar estereótipos, superar barreiras e seguir seus sonhos e ambições no esporte".

Segundo a Agência ONU, Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres, ao nomear a atleta brasileira, afirmou que "sua própria experiência de vida conta uma história poderosa do que pode ser alcançado com determinação, talento e coragem".

"O esporte é uma linguagem universal; nos inspira e nos une, pois amplia nossos limites. Estamos ansiosas para trabalhar de perto com Marta para trazer o poder transformador do esporte para mais mulheres e meninas, e para construir rapidamente a igualdade", concluiu Mlambo-Ngcuka.

Marta é amplamente considerada a melhor jogadora de futebol feminino da atualidade. No momento, ela joga pelo Orlando Pride na Liga Nacional Feminina de Futebol dos Estados Unidos e também é atacante da seleção brasileira. Ela também é a maior pontuadora de todos os tempos do torneio da Copa do Mundo Feminina da FIFA e foi nomeada Jogadora do Ano cinco vezes consecutivas. Ela também foi membro das seleções brasileiras que conquistaram a medalha de prata nas Olimpíadas de 2004 e 2008 e foi nomeada uma das seis embaixadoras da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

"Estou totalmente comprometida em trabalhar com a ONU Mulheres para garantir que mulheres e meninas em todo o mundo tenham as mesmas oportunidades que homens e meninos têm para realizar seu potencial e eu sei, da minha experiência de vida, que o esporte é uma ferramenta fantástica para o empoderamento", disse Marta. "Por meio do esporte, mulheres e meninas podem desafiar normas socioculturais e estereótipos de gênero e...

Continue a ler no HuffPost