Grávida denuncia abuso sexual de massoterapeuta em SC; Polícia investiga o caso

Suspeito de abusar de grávida não foi ouvido e, até sexta, não havia previsão para que ele prestasse depoimento - Foto: Getty Images
Suspeito de abusar de grávida não foi ouvido e, até sexta, não havia previsão para que ele prestasse depoimento - Foto: Getty Images

Um massoterapeuta está sendo investigado pela Polícia Civil (PC), suspeito de estupro contra uma mulher grávida de aproximadamente seis meses de gestação em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina (SC).

A investigação foi confirmada pela PC nesta quinta-feira (9). O caso está em sigilo.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança ao Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) da cidade.

De acordo com a delegada Vivian de Andrade de Mattos, a mulher já prestou depoimento e relatou a violência. A vítima também deve passar por exames.

"A gente está investigando um fato repassado pela grávida, que é um registro de boletim de ocorrência. A gente vai apurar esses fatos informados por ela, mas como é um abuso sexual, corre em sigilo", disse a Vivian.

Ainda segundo a delegada, o suspeito não foi ouvido e, até sexta, não havia previsão para que ele prestasse depoimento.

Outro caso

Em fevereiro deste ano, também em Santa Catarina, a Polícia Civil abriu uma investigação contra um massoterapeuta, acusado de estar abusando de clientes em Blumenau, no Vale do Itajaí. As vítimas procuraram a delegacia e relataram que ele usou pretextos terapêuticos para tocar partes íntimas das mulheres.

O homem pode responder por violência sexual mediante fraude, segundo o delegado Felipe Orsi, crime que está previsto no artigo 215 do Código Penal.

Neste caso, três vítimas entraram em contato com a Polícia Civil relatando o crime.

Conforme o delegado, duas mulheres entraram em contato na mesma semana em janeiro. Também há um inquérito aberto contra ele de uma vítima de outra cidade do Vale do Itajaí. "O modus operandi é o mesmo", afirmou Orsi.

As mulheres já foram ouvidas e um mandado de busca e apreensão na casa do massoterapeuta, em Blumenau, onde ele atendia as clientes, foi pedido à Justiça.