Maternidade fez Daphne Bozaski se identificar com Keyla em 'As Five', que estreia nesta quinta no Globoplay

Luana Santiago
·4 minuto de leitura

Voltar a viver as cinco protagonistas de ''Malhação — Viva a diferença'' em ''As five'' não foi tão fácil para Gabriela Medvdovski, Heslaine Vieira, Daphne Bozaski, Ana Hikari e Manoela Aliperti. Além de reencontrarem suas personagens em versões mais velhas na série, que estreia nesta quinta-feira no Globoplay, as atrizes precisaram se adaptar a um formato diferente da novela na qual trabalharam entre 2017 e 2018.

— Acho que encontramos um outro lugar de atuação, um lugar mais maduro. A série como um todo amadureceu. A linguagem é outra, o texto tem outra dinâmica, a direção e fotografia também foram para outro lugar... Não faria sentido seguir no tom da novela, então, como atrizes, foi um desafio encontrar o tom dessas personagens mais velhas, nesse momento novo, mas mantendo suas essências — afirima Gabriela, que retorna ao papel de Keyla no seriado de dez episódios.

Também foi um desafio entender a razão do distanciamento do quinteto, tão unido em ''Malhação, na vida adulta.

— Eu já tive amizades assim — afirma Ana Hikari, intérprete de Tina: — Inclusive, nesse período da pandemia, acabei retomando o contato pela internet com amigas da época do colégio! Por conta de uma coincidência, num dos aplicativos de conversa de grupo, entramos sem querer na mesma sala e conversamos. Até criamos um grupo no WhatsApp pra trocar vídeos engraçados do TikTok. Acho que nós não éramos tão próximas quanto as five, mas foi uma reaproximação engraçada e nostálgica.

Apesar dos muitos pontos de interrogação em relação ao spin-off (um novo episódio será lançado toda quinta), representar as Five em idades mais próximas das suas na vida real foi um facilitador para as artistas, que puderam emprestar experiências próprias para as agora jovens adultas.

— Experiência de vida é sempre muito bem-vinda na hora de contar histórias, e o fato da Lica ter a mesma idade que eu foi muito bom! Porque muitas das situações que ela passa na série, eu já passei e pude trazer a minha experiência pessoal para a personagem. Eu também já fiz uma loucura em nome do "amor", por exemplo — conta Manoela Aliperti, de 24 anos.

No seriado, a morte da mãe de Tina faz o grupo de melhores amigas se juntar seis anos após os eventos do fim da trama reprisada na Globo. O reencontro das cinco é marcado pelo climão do afastamento, bem diferente da vibe de celebração entre as atrizes no fim do ano passado, quando estiveram juntas na gravação da série, em São Paulo. E a reunião vai acontecer novamente no futuro, já que a segunda temporada de ''As five'' está confirmada.

— O Cao nos fez uma proposta de trabalho e, ao fim da ligação, revelou para cada uma que as personagens eram as mesmas de ''Viva a diferença''. Foi um misto de sentimentos! Essas personagens significam muito pra nós pessoalmente e profissionalmente. Elas fizeram e fazem parte da nossa história. Foi um reencontro gostoso, com saudade e confiança de que, juntas, voltaríamos a contar a história dessa amizade e dessas meninas que têm muito a dizer — relembra Heslaine Vieira, que encarna a inteligente Ellen.

Embora tenha se passado seis anos entre a ''Malhação'' e ''As five'', não demorou muito para a continuação da folhetim teen acontecer. No entanto, quase dois anos entre uma produção e outra foi tempo suficiente para algumas mudanças marcantes nas vidas das artistas.

— Pessoalmente, eu também mudei muito nesses últimos anos. Muitas reponsabilidades bateram na porta, e a maternidade foi uma delas. Venho me conhecendo a cada dia, ainda mais agora na pandemia — conta Daphne Bozaski, a Benê.

De ''Malhação'' para cá, a atriz deu à luz a Caetano, de 1 ano e 11 meses, fruto do relacionamento com o chef Gustavo Araújo. Ela confessa que a vivência da maternidade de primeira viagem a fez entender melhor a realidade de Keyla, que se dedica à criação do filho, Tonico, em ''As five'':

— Eu me vi muito na personagem da Keyla. Como é você ser mulher, trabalhar e ainda criar um filho nos dias de hoje. Mas, diferente da Keyla, eu tenho o Gustavo, que é meu braço direito e faz toda diferença. E também me vi nas questões de sexualidade da Benê, após a maternidade estava redescobrindo meu corpo e meus prazeres. s