MBL pede cassação de Olim por fala sexista sobre Isa Penna

·2 min de leitura
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 15.02.2019: Retrato feito na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) do Deputado Estadual Antonio Assunção De Olim, mais conhecido como delegado Olim (PP). (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 15.02.2019: Retrato feito na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) do Deputado Estadual Antonio Assunção De Olim, mais conhecido como delegado Olim (PP). (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O MBL (Movimento Brasil Livre) decidiu que irá protocolar pedido de cassação do mandato de Delegado Olim (PP-SP) na Assembleia Legislativa de São Paulo devido a falas sexistas do deputado a respeito da também parlamentar Isa Penna (PCdoB).

O pedido será assinado por Renato Battista, pré-candidato a deputado estadual e ex-chefe de gabinete de Arthur do Val (União Brasil), que renunciou ao mandato após vazamento de áudios com falas sexistas a respeito de mulheres ucranianas. O documento será protocolado na segunda-feira (25).

Olim é membro do Conselho de Ética da Alesp e foi relator do processo de cassação de Do Val, membro do MBL. Ele defendeu a cassação em seu relatório, que foi aprovado por unanimidade pelo conselho.

Em entrevista ao podcast Inteligência Ltda., Olim disse que Isa teve "sorte" por ter sido apalpada pelo deputado Fernando Cury (União Brasil) no plenário na Casa e deverá se reeleger devido ao ocorrido.

"Isa Penna, que sorte a dela. Ela vai se eleger por causa disso. Sim, ela só fala nisso", disse Olim.

Na sequência, Olim minimizou o caso contra a deputada ao afirmar que Cury é um "cara do bem" e que nunca se esquecerá das acusações de assédio após o ato contra Isa, que deve concorrer ao cargo de deputada federal neste ano.

Após a repercussão, o parlamentar afirmou que "se expressou mal".

"Ao pedir a cassação do Arthur do Val por um áudio no qual não há crime, o próprio Olim abriu um precedente que agora deve se voltar contra ele. Pela lógica, merece ser cassado, ou a Assembleia mostrará sua incoerência mais uma vez?", diz Renato Battista.

Do Val renunciou ao cargo, como adiantado pelo Painel, mas o processo de cassação deve continuar mesmo assim. Caso seja cassado, Do Val poderá ficar inelegível por oito anos. ​

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos