MDB indica Renan, Jader e Rigotto para equipe de Lula no governo de transição

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente nacional do MDB, deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), anunciou nesta quarta-feira (9) novos nomes da legenda que vão integrar o governo de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O MDB indicou para compor o Conselho Político da Transição os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Jader Barbalho (MDB-PA).

Também foi indicado o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), que vai atuar na área de indústria e comércio.

Rigotto foi o coordenador do plano de governo da presidenciável emedebista Simone Tebet, que terminou em terceiro lugar na disputa e depois se tornou importante nome da campanha de Lula no segundo turno.

A senadora emedebista Simone Tebet (MS) já havia sido confirmada pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin como integrante da equipe de transição. Ela será uma das coordenadoras da área de assistência social.

O MDB também indicou para a área de assistência social o secretário-executivo da legenda, Reinaldo Takarabe, que já vinha atuando com Simone Tebet.

O anúncio de Baleia Rossi foi feito em um post nas redes sociais. O parlamentar afirma que os nomes que integrarão o governo foram acertados em reunião com a presidente nacional do PT, a também deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR).

"Conversei há pouco com a presidente Gleisi Hoffmann e acertamos os nomes indicados pelo MDB para a equipe de transição. Na linha do que discutimos, o MDB terá uma ação colaborativa e propositiva, com foco na solução de problemas urgentes", escreveu o parlamentar.

Baleia então acrescentou que o partido tem algumas questões que considera urgentes e espera vê-las contempladas pelo futuro governo. Citou a garantia de R$ 600 de pagamento no âmbito do programa Bolsa Família —que deverá ser recriado, em substituição ao Auxílio Brasil— e o aumento real do salário mínimo.

Também citou a necessidade de defesa do pacto federativo, da realização da reforma tributária e a atualização da tabela do SUS (Sistema Único de Saúde). E acrescentou que é preciso ser coerente com o plano de governo da candidatura de Simone Tebet.

Em relação aos nomes para o conselho político, Baleia ressaltou a importância de políticos experientes.

"No atual momento, também é fundamental termos parlamentares experientes para a construção de um relacionamento harmônico com o Congresso. Por isso o MDB também indicou os senadores Jader Barbalho (PA) e Renan Calheiros (AL) para compor o Conselho Político da Transição", acrescentou.

Renan é um aliado tradicional do PT. Foi uma das vozes que defendeu e articulou o apoio para o petista logo no início do primeiro turno, abandonando a candidatura de Simone Tebet. Acabou perdendo a disputa, mas se manteve ao lado de Lula.

O ex-presidente do Senado perdeu força após ser acusado de casos de corrupção. Tentou voltar à presidência da Casa em 2019, mas acabou abandonado por aliados e retirou sua candidatura durante a sessão de votação.

Ressurgiu novamente ao se tornar relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, que se tornou o principal foco de desgaste do governo Jair Bolsonaro durante a pandemia.