MEC convoca reitores de federais para propor novo modelo de gestão

Plano será apresentado nesta terça-feira aos reitores, mas só será divulgado pelo MEC nesta quarta. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • MEC receberá reitores de universidades federais para apresentar plano de mudança nas instituições

  • Um dos pontos sugeridos deverá ser alteração da natureza jurídica de entidades para aumentar a ‘eficiência da gestão’

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, apresenta aos reitores de universidades federais, nesta terça-feira (16), uma proposta de mudança nas instituições. O programa, batizado de Future-se, tem como objetivo aumentar a eficiência das universidades federais.

A ideia do MEC (Ministério da Educação) é tornar a proposta pública somente na quarta-feira (17). No entanto, pessoas ligadas ao setor afirmam que a pasta pretende diminuir sua participação no financiamento na tentativa de estimular as universidades a captarem fontes alternativas de recurso, como o fomento de cursos MBA que possam ser cobrados.

Leia também

As poucas informações sobre a reunião foram antecipadas por Weintraub em suas redes sociais. No domingo (14), Weintraub reagiu a um rumor que circulou em blogs e em redes socais nos últimos dias que dizia que universidades federais passariam a cobrar mensalidades dos alunos.

Em uma postagem no Twitter, o ministro disse que as universidades federais continuarão públicas e que os estudantes não pagarão pela graduação, assim como é hoje. Em outras ocasiões, o ministro já defendeu cobrança para alguns cursos de pós-graduação. “A adesão das universidades será voluntária, permitindo separar o joio do trigo...as que quiserem ficar no atual modelo, poderão ficar...”, afirmou ele.

“O que a gente vai fazer: eficiência”, reiterou ele durante um compromisso oficial em Florianópolis nesta segunda-feira (15). Ainda em Santa Catarina, Weintraub afirmou que um dos pontos da proposta será melhorar a gestão para reduzir gastos. “A gente vai priorizar eficiência e a primeira infância. São os países que deram certo que fizeram isso”, afirmou o ministro.

NATUREZA JURÍDICA

Um dos pontos que deve constar na proposta é a mudança da natureza jurídica das universidades e institutos federais, fazendo com que deixem de depender do MEC para execução do orçamento e passem a atuar com autonomia baseado nos modelos de empresas públicas com personalidade jurídica ou OS (Organização Social)

Os especialistas consultados pelo portal G1, no entanto, detalharam que mudar o modelo de gestão não necessariamente melhora a administração dessa verba.