Médico que filmou homem negro algemado grava novo vídeo: “Não tem nada de escravidão”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Médico que filmou homem negro defende-se em novo vídeo - Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Médico que filmou homem negro defende-se em novo vídeo - Foto: Reprodução/TV Anhanguera
  • Médico filmou homem negro acorrentado e algemado e disse: "Vai pra senzala"

  • Em nova gravação, ele garantiu que era tudo uma brincadeira e que não há escravidão em seu trabalho

  • Apesar da justificativa, ele está sendo investigado por crime de racismo

Investigado por injúria racial após filmar um homem negro com correntes e algemas em Cidade de Goiás, o médico Marco Antônio Souza Júnior gravou novo vídeo ao lado de seu funcionário para se defender.

A filmagem, divulgada pela TV Anhanguera, mostra o médico conhecido como “Doutor Marcim” ao lado do funcionário. Em um breve diálogo, ele garante que “não tem nada de escravidão”.

“O povo está enchendo o saco. O que acha disso?”, questiona o médico ao funcionário. “O povo tem que trabalhar”, responde. “Aqui é tranquilidade, paz. Não tem nada de escravidão. Quem não queria ter uma vida como essa?” encerra o doutor.

O novo vídeo apareceu um dia depois de Márcio publicar nas próprias redes sociais a gravação em que seu funcionário, que não teve a identidade revelada, aparece com os pés acorrentados e as mãos algemadas.

Em meio às imagens, o médico aparece falando, enquanto ri: “Falei para estudar, mas ele não quer. Então, vai ficar na minha senzala”.

Médico é investigado

As imagens repercutiram e foram parar na Polícia Civil, que abriu inquérito para investigar um possível caso de racismo. Mesmo com o funcionário afirmando que tratava-se de uma brincadeira, Márcio pode pegar cinco anos de prisão.

A prefeitura de Cidade de Goiás também nota posicionando-se sobre o caso, dizendo que “o ato divulgado, sem explicação aceitável, causa profunda repulsa e deve ser objeto de investigação e apuração pela autoridade policial competente, para uma célere instrução e responsabilização nos termos da lei”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos