Quatro milhões de indianos deixam de ser considerados cegos por decisão legal

Nova Délhi, 20 abr (EFE).- Aproximadamente quatro milhões de pessoas deixaram de ser consideradas oficialmente cegas pela decisão do Ministério de Saúde de atualizar a norma sobre os critérios utilizados para determinar a qualificação de uma pessoa com essa condição, indicou nesta quinta-feira à Agência Efe uma fonte oficial.

O Ministério da Saúde indiano decidiu que desde segunda-feira serão aplicados os critérios criados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para definir um cego, o que em termos práticos suporá a redução de 4 milhões de cegos (chegando a um total de 8 milhões) no país.

"Até agora, na Índia, se entendia que alguém era cego se não pudesse contar dedos a seis metros de distância, mas o critério da OMS especifica que são três metros, rebaixando o número de cegos de 12 a 8 milhões", explicou à Agência Efe V. Rajshekar, membro do Programa Nacional de Controle da Cegueira da Índia.

Rajshekar indicou que a decisão tem efeito imediato e supõe a eliminação dos critérios utilizados desde 1976 na Índia, que considerava cegas àquelas pessoas que não podiam exercer atividade trabalhista por problemas de visão.

De acordo com a OMS, não há condição de cegueira até que a incapacidade visual dificulte "as interações sociais diárias dos afetados".

Segundo indicou à Efe Praveen Vashist, diretor de Oftalmologia do All Índia Institute of Medical Sciences, a principal instituição pública de pesquisa médica do país, a Índia tinha um censo de cegos muito maior do que o do resto de países pela discrepância nos critérios para sua definição.

Além disso, ficava impossível ao país cumprir com o objetivo mundial fixado pela OMS de reduzir a prevalência da cegueira a 0,3% de sua população.

"Nos últimos dados, de 2007, tínhamos uma prevalência de casos de cegueira de 1%, mas atualizado aos novos critérios são vários décimos a menos (...) no ano que vem serão publicados novos dados atualizados e esperamos estar ainda mais perto do objetivo de 0,3%", explicou Rajshekar.

Apesar do ajuste e para evitar deixar na sarjeta esses 4 milhões de indianos que sofrem com severos problemas de visão, mas que já não são considerados cegos, o Ministério de Saúde decidiu mudar também seu programa contra a cegueira para não exclui-los. EFE