‘Medo é a palavra que define Paraisópolis hoje’, lamenta padre

Luciano Borges, que atua há 13 anos na favela, fala sobre os impactos da morte de jovens sobre a comunidade e a sensação de insegurança entre os moradores