Justiça veta megachurrasco com 2 mil pessoas para recepcionar Bolsonaro no interior de SP

·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro waves to supporters as he rides a motorcycle leading a caravan of more than 1000 bikers to celebrate Mother's Day in Brasilia on May 9, 2021. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Bolsonaro participará de uma motociata na parte da manhã do sábado em Presidente Prudente. Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
  • Evento aconteceria neste sábado (31)

  • Almoço era promovido por organização ruralista

  • Presidente vai a Presidente Prudente participar de credenciamento de hospital no SUS

Um megachurrasco para 2 mil pessoas para recepcionar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em Presidente Prudente (SP) teve a autorização revogada pela Prefeitura. O evento aconteceria no próximo sábado (31).

O presidente irá à cidade para participar do credenciamento do Hospital Regional do Câncer, que mudará de nome para Hospital da Esperança, ao Sistema Único de Saúde (SUS). Além do churrasco com líderes ruralistas, a agenda extraoficial do presidente prevê uma motociata com apoiadores na parte da manhã.

O cancelamento se deu após uma ação civil pública do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) desta terça-feira (27) contra decretos municipais, sancionados pelo prefeito Ed Thomas. Os decretos permitiam a flexibilização de restrições sanitárias por conta da pandemia de covid-19, além de ceder o espaço usado para a feira agrária municipal e leilões de gado.

Na decisão, o juiz Darci Lopes Beraldo, expedida nesta quarta-feira (28), afirmou que um evento deste porte só poderia acontecer se fizesse parte da categoria de eventos-teste, anunciado pelo governo do estado, João Doria (PSDB). Este não é o caso do megachurrasco.

Leia também

A Prefeitura afirmou que não irá recorrer da decisão. O almoço era oferecido pela União Democrática Ruralista (UDR), uma associação civil que defende os ruralista desde os anos 1980, época em que o conflito por terra se intensificou no interior paulista, com a presença no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

UDR e as milícias rurais

A UDR já foi presidida por Luiz Antonio Nabhan Garcia, aliado de Bolsonaro que hoje ocupa o cargo de secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura. Dentre suas funções, está a reforma agrária e a demarcação de terras indígenas. Além disso, Garcia é um dos principais fiadores no setor de agronegócio do presidente, desde as eleições de 2018.

O secretário já foi acusado de associação com milícias armadas no campo para defender fazendeiros na região de Presidente Prudente pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Terra (CPMI da Terra), concluída em 2005. Ele negou as acusações e não foi indiciado.

Em abril, Garcia articulou a visita da primeira-dama Michelle Bolsonaro a Presidente Prudente, para apoiar uma iniciativa articulada por entidades ruralistas e empresariais que promoviam a distribuição de cestas básicas. Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, também participou.

Seu irmão, Maurício Nabhan Garcia lidera hoje a Secretaria de Agricultura e Abastecimento em Presidente Prudente, criado pelo presidente atual, que também é aliado de Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos