Falta de compromisso com meio ambiente pode ser entrave para Brasil entrar na OCDE

Debora Álvares
Presidente Jair Bolsonaro e vice-presidente, Hamilton Mourão, na cerimônia de transferência do Conselho da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente para a Vice-Presidência no Palácio do Planalto.

Ponto de desgate para o presidente Jair Bolsonaro, o meio ambiente pode ser entrave na realização de um desejo do governo: a inclusão do Brasil na OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi cobrado em Davos por investidores estrangeiros sobre a política ambiental que o governo vem adotando.

Guedes ouviu que, se o País não mostrar números e resultados, será não apenas difícil atrair investimentos, como corre-se o risco da saída deles. Além disso, o ingresso na OCDE e outras parcerias, como o acordo entre o Mercosul e a União Europeia, também poderiam ser afetados pela questão.  

Em repostas às recomendações, o governo migrou o Conselho da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente para a Vice-Presidência, sob o comando de Hamilton Mourão. O general é tido como “mais ponderado”, que o ministro Ricardo Salles, e é conhecedor do bioma, onde foi comandante da 2ª Brigada de Infantaria de Selva na tríplice fronteira com a Colômbia e Venezuela.

Consultora de relações governamentais da BMJ Consultores, Mariana Lyrio diz que o Brasil tem argumentos que poderá usar a seu favor.

“A implantação de uma lei de Pagamentos por Serviços Ambientais, um tema que está atualmente sendo discutido no Congresso; e a criação de um sistema de informação de biodiversidade brasileira. O Brasil lançou, no ano passado, o Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). São argumentos que podem ser usados a favor da adesão do Brasil à OCDE”

 Anualmente a entidade elabora uma Revisão de Desempenho Ambiental que “fornece avaliações independentes sobre o progresso dos países em relação a seus objetivos de política de meio ambiente e traz recomendações”. A versão brasileira de 2015 trazia elogios à matriz energética limpa e redução de emissões de gases, e recomendações.

De acordo coma  especialista, o foco da OCDE, no entanto, é econômico. A...

Continue a ler no HuffPost