Mel Maia coloca DIU após se assustar com previsão de gravidez

Mel Maia no Rock in Rio 2022 (Foto:Marcos Ferreira/Brazil News)
Mel Maia no Rock in Rio 2022 (Foto:Marcos Ferreira/Brazil News)

Mel Maia não quer ser mãe agora. A atriz de 18 anos ficou tão assustada com a previsão de gravidez de uma sensitiva que resolveu colocar o DIU para evitar a possível gestação. Nesta quarta-feira (23), a jovem gravou um vídeo para explicar sua decisão aos seguidores.

"Fui colocar meu DIU. Eu já estava pensando em colocar DIU há um tempo, mas aí quando a Lene Sensitiva me mandou mensagem, minha gente, foi quando eu realmente decidi colocar", afirmou.

No vídeo, Mel Maia revelou que o procedimento foi feito com ela acordada e demorou um pouco. "Eu tinha falado com a doutora que eu queria pôr apagada, porque eu sinto muita cólica no período menstrual, em período fértil. É de pessoa para pessoa. Outro dia eu conto essa experiência para vocês. Agora eu tenho um DIU dentro de mim", explicou Mel.

Embora não tenha confirmado seu relacionamento com o MC Daniel, Mel Maia tem dado indícios de namoro com o funkeiro. Na noite desta terça-feira (22), a atriz publicou uma foto no colo do cantor e se declarou na legenda: "Minha metadinha hehe". Nos comentários, Daniel respondeu: "On pro amor amigo da Mel Maia. Te amo, baixinha".

O que é DIU?

Há dois tipos de DIU, que nada mais é do que um pequeno aparelho flexível colocado dentro do útero: os que contém cobre em sua composição e o Mirena, que contém hormônios (progesterona ou levonorgestrel). O Mirena dura cinco anos e durante seu uso a paciente geralmente não menstrua ou tem um fluxo bem reduzido. Já o DIU de cobre dura entre cinco e 10 anos e a mulher continua menstruando, podendo apresentar aumento do fluxo menstrual e cólicas.

De acordo com Adriana Bittencourt Campaner, gerente médica do Centro de Estudos e Pesquisas do SalomãoZoppi Diagnósticos em São Paulo, não são todas as pessoas que podem recorrer ao DIU.

“A contraindicação para o uso do DIU acontece em pacientes com as seguintes condições: gravidez confirmada ou suspeita, inflamação do colo do útero, sangramento genital de natureza desconhecida, infecção pós-parto ou pós-aborto, doença inflamatória pélvica atual ou recente, tuberculose pélvica, câncer genital ou pélvico e ainda para aquelas que possuem alguma alteração anatômica do útero”, explica.