Russos faz homenagem às vítimas de incêndio em shopping em várias cidades

Moscou, 27 mar (EFE).- Milhares de pessoas foram às ruas de várias cidades da Rússia nesta terça-feira para prestar homenagens às 64 pessoas mortas no incêndio registrado no domingo em um shopping de Kemerovo, na Sibéria.

Em Moscou, centenas de pessoas deixaram flores e velas nos Jardins de Alexandre, que se estendem ao longo da muralha do Kremlin, uma cena parecida à registrada em outras localidades.

Também foi pendurado um enorme cartaz com o nome de Kemerovo, cidade onde ocorreu a tragédia. As dezenas de flores e velas eram colocadas de forma organizada por voluntários.

Em São Petersburgo, os moradores também levaram flores para uma das principais praças da cidade em homenagem aos mortos. Na cidade de Ujta, no noroeste do país, o local escolhido foi o memorial criado onde antes funcionava um outro shopping alvo de um incêndio em maio de 25 que matou 25 pessoas.

A maior homenagem foi registrada na própria Kemerovo, onde mais de 2 mil pessoas se reuniram durante 11 horas de vigília. A concentração, porém, não foi silenciosa. Os moradores gritavam com as autoridades e criticavam as irregularidades no shopping que permitiram a morte de 64 pessoas, entre elas 41 crianças.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, que faz visita à cidade hoje, afirmou que houve negligência no incêndio e prometeu punir os responsáveis pela tragédia em Kemerovo.

Putin, que decretou dia de luto nacional por causa do incêndio, depositou flores em um memorial criado em frente ao shopping. Milhares de pessoas, porém, se reuniram em uma praça da cidade para exigir a renúncia das autoridades locais e regionais.

A indignação popular cresce à medida que novos detalhes da tragédia são conhecidos. A causa mais provável do incêndio parece ser um curto-circuito. Os investigadores afirmaram que o sistema de alarme anti-incêndio estava desligado há vários dias. Além disso, várias saídas de emergência estavam bloqueadas.

O presidente do Comitê de Instrução da Rússia, Aleksandr Bastriking, informou a Putin que a maior parte dos funcionários do shopping fugiu quando o incêndio começou, abandonando muitas crianças dentro do local. EFE