As novelas que realmente queríamos ver passando agora na Globo

Rafael Argemon

Tudo bem que a Rede Globo precisou seguir alguns critérios técnicos para substituir as novelas que tiveram as filmagens interrompidas devido a pandemia do coronavírus, mas é difícil aceitar Fina Estampa (2011), Totalmente Demais (2015) e Novo Mundo (2017) quando o canal já exibiu tantos outros folhetins infinitamente melhores.

Mas estamos todos de quarentena e não custa sonhar, selecionamos aqui as novelas que REALMENTE queríamos ver reprisadas nos horários das 18h, 19h e 21h. 

*Ah, e Avenida Brasil não é elegível porque está sendo exibida no Vale a Pena Ver de Novo.

Novelas das 18h

O Cravo e a Rosa (2001)


Nunca é demais rever a relação entre tapas e beijos entre a urbana e arredia Catarina (Adriana Esteves) e o matuto grosseirão Petruchio (Eduardo Moscovis) nessa comédia romântica inspirada no clássico de Shakespeare, A Megera Domada.

Mulheres de Areia (1993)


Que melhor forma de aliviar as tensões da quarentena do que ver a malvada Raquel (Glória Pires) atazanando o coitado do Tonho Da Lua (Marcos Frota) nessa refilmagem inesquecível de uma novela da extinta TV Tupi?

A Gata Comeu (1985)


Outro casal que se amava e odiava na mesma medida e a gente adorava ver. A mimadíssima Jô Penteado (Christiane Torloni) e o professor Fábio (Nuno Leal Maia). Tudo embalado com muitos sucessos pop dos anos 80.

Novelas das 19h

A Viagem (1994)


É verdade que de encosto a gente já está cheio, mas o traste do Alexandre (Guilherme Fontes) tinha o seu charme nessa que foi a novela espírita mais marcante da história da Globo.

Vamp (1991)


Que tempo bom em que vampiros eram a coisa mais ameaçadora que a gente via na TV brasileira! Saudades de Vlad (Ney Latorraca), Natasha (Cláudia Ohana), Matosão (Otávio Augusto), Mary Matoso (Patrícia Travassos) e companhia... 

Que Rei Sou Eu? (1989)


Das grandes sátiras políticas na TV, nenhuma foi tão divertida quanto Que Rei Sou Eu? Não lembra do mago Ravengar? O saudoso ator Antônio Abujamra que o diga, ficou tão marcado...

Continue a ler no HuffPost