Membros do Parlamento Europeu criticam violência contra indígenas em carta a Bolsonaro

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 13.01.2021 - O presidente Jair Bolsonaro deixa restaurante na Vila Planalto, bairro vizinho à Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 13.01.2021 - O presidente Jair Bolsonaro deixa restaurante na Vila Planalto, bairro vizinho à Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um grupo de 50 membros do Parlamento Europeu enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para externalizar preocupação com o aumento da violência contra a população indígena e a agenda política do governo para o meio ambiente.

No documento, os parlamentares criticam o PL 490, que muda as regras e dificulta a demarcação de terras indígenas, e o PL 2633, sobre regularização fundiária.

“Expressamos nossa solidariedade e apoio à APIB [Articulação dos Povos Indígenas do Brasil]. Fazemos um apelo para que o governo brasileiro pare com sua política anti-indígena e anti-meio ambiente que causa a destruição da floresta amazônica”, diz o documento.

Assinam a carta representantes dos grupos políticos EPP (democrata cristão), Greens/EFA (Os Verdes/Aliança Livre Europeia), S&D (Aliança Progressista de Socialistas e Democratas​) e The Left (esquerda), além de parlamentares independentes. O Parlamento Europeu conta com 705 deputados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos