Menina de cinco anos morreu por bala perdida em execução a traficante, segundo a Polícia Civil

Rafael Nascimento de Souza

A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) faz na manhã desta quarta-feira a perícia na Praça da Cohab, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, onde a menina de cinco anos, Ketellen Umbelino de Oliveira Gomes foi baleada. Além dela, o adolescente Davi Gabriel Martins do Nascimento, de 17 anos, também foi atingido e morto no local. Os investigadores já sabem que o alvo dos criminosos era o rapaz, que, segundo a Polícia Civil, tinha envolvimento com o tráfico de drogas na região. Homens armados passaram em um carro e dispararam contra o jovem que morreu na hora.

A pequena Ketellen seguia para a escola com a mãe na tarde de terça-feira e acabou sendo atingida na perna durante o tiroteio. Ela foi baleada na rua Paula Neri, em frente ao Bloco 58 da Cohab. A criança chegou a ser levada para a Unidade de Pronto-Atendimento do bairro e, logo em seguida, para o Hospital municipal Albert Schweitzer. Lá passou por uma cirurgia e não resistiu aos ferimentos, morrendo nesta madrugada.

O corpo da criança foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Campo Grande. Ainda não há informações sobre o local do velório e enterro.

De acordo com o delegado Evaristo Magalhães Pontes, Davi tinha várias passagens por roubo e, inclusive, já havia cumprido medidas socioeducativas em unidades do Degase.

— O que temos é que eles foram para executar esse rapaz e a criança acabou sendo vítima de uma bala perdida — disse Pontes que completou: — Ele tinha uma extensa ficha criminal. Já havia sido detido diversas vezes por roubo e cumpriu medida socioeducativa. Mas, entrava e saía — disse Pontes.

Ketellen é a sexta criança morta com bala perdida em 2019. Além dela, morreram da mesma forma Ágatha Félix, de 8 anos (vítima de uma bala perdida no Alemão), Kauê dos Santos, de 12 anos (baleado durante operação policial no Chapadão), Kauê Rozário, de 11 anos (atingido por bala perdida na Vila Aliança), Kauan Peixoto, de 12 anos (morto durante um confronto entre policiais e bandido na favela da Chatuba, em Mesquita) e Jenifer Gomes, de 11 anos (baleada em Triagem).