Menino de 4 anos desaparece em praia do Guarujá e é encontrado morto três dias depois

ALFREDO HENRIQUE
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Benjamin Nunes de Jesus, 4 anos, foi encontrado morto, por volta das 5h desta sexta-feira (6), boiando no mar do Guarujá (86 km de SP). A criança havia desaparecido, por volta das 14h40 de terça-feira (3), quando brincava na praia Santa Cruz dos Navegantes, onde sua mãe, uma confeiteira de 35 anos, também estava. A confeiteira afirmou em depoimento à polícia ter ido à praia acompanhada do menino e de uma amiga, que também levou sua filha de 5 anos ao local para brincar com Benjamin. As duas crianças encontraram um buraco na areia, feito anteriormente por algum frequentador da praia, e passaram a brincar de encher a abertura com água do mar. Para isso, caminhavam até o limite entre a rebentação das ondas e a areia da praia. O pai de Benjamin, identidade não informada, chegou ao local cerca de dez minutos depois e brincou com o filho, ainda segundo depoimento da confeiteira. Em seguida, o homem foi embora. Após isso, a mãe de Benjamin voltou a conversar com a amiga. Instantes depois, ambas perceberam que o menino havia desaparecido. O tempo para que isso acontecesse não foi especificado pela mulher. Ambas passaram então a procurar o menino, questionando pessoas que estavam na praia, mas sem sucesso. "A declarante [confeiteira] acredita que seu filho não tenha se afogado, pois o mesmo tinha medo de água e que a última visão que teve dele foi na piscininha de areia chamando pela amiguinha", diz trecho do boletim de ocorrência sobre o desaparecimento do menino. Os bombeiros foram acionados e, com apoio de familiares de Benjamin, pescadores e moradores da região iniciaram as buscas pela criança. Quase três dias após o desaparecimento, um pescador de 52 anos localizou o corpo da criança, por volta das 5h desta sexta-feira (6), boiando a cerca de 50 metros do local onde brincava na terça. A polícia procura câmeras de monitoramento para verificar se a criança entrou sozinha na água, ou se foi abordada por algum suspeito antes de desaparecer. Como as circunstâncias da morte do menino ainda não foram concluídas, o caso foi registrado como "comunicação de óbito" pela Delegacia Sede do Guarujá. A causa preliminar da morte, segundo atestado de óbito, é afogamento. "Foram solicitados exames periciais e os resultados serão analisados tão logo sejam concluídos", afirma trecho de nota da SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB). O velório de Benjamin está previsto para começar entre 21h e 23h desta sexta, segundo familiares, e o sepultamento ocorre por volta das 9h deste sábado (7), ambos no Cemitério Vila Júlia, no Guarujá. MÃE E FILHO IAM SEMPRE À PRAIA Benjamin era o caçula de cinco irmãos e era paparicado por toda a família, segundo sua tia, uma publicitária de 39 anos. "Era rotina ele e minha irmã irem, só os dois, na praia. Mas o Benjamin não era abusado, tinha medo de entrar na água", destacou a parente. Ela disse ainda aguardar os resultados da investigação para saber se a morte do sobrinho foi uma fatalidade ou um crime. "O Benjamin é uma criança muito ativa e alegre. Ele brinca bastante e gosta de ir à casa da avó [materna]", relembra a parente, falando do sobrinho ainda no presente. A tia acrescentou que o nascimento do menino mudou a vida de toda a família, principalmente da mãe. "Senti que ela amadureceu muito após o nascimento dele, mesmo já tendo quatro filhos antes." Sobre o desaparecimento, ela ainda disse "estranhar", principalmente pelo fato de a praia ser tranquila e por ninguém ter visto para onde o menino foi antes de sumir.