Mensagem de WhatsApp quase racha cúpula da campanha de Bolsonaro

Se eleito, Bolsonaro promete reduzir a maioridade penal. É possível?

Um texto anônimo com acusações envolvendo Gustavo Bebianno e Gulliem Lemos — dois homens fortes na campanha de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da República— circulou por grupos de WhatsApp de apoiadores do liberal e gerou muita tensão no partido.

A informação é do “BuzzFedd News” que ainda traz a informação que Gulliem Lemos é alvo de processos com base na Lei Maria da Penha. Além de ser um dos homens fortes na campanha de Bolsonaro, Lemos também é candidato a deputado federal pelo PSL. Ele é acusado pela ex-mulher de agressões e de tê-la ameaçado. Também foi condenado a um ano de prisão, mas não cumpriu pena porque o crime havia prescrito.

Deputado encarna personagens de Dragon Ball Z em propaganda política
XP/Ipespe: Com apoio de Lula, Haddad passa para 2º turno com Bolsonaro
‘Bolsonaro tem o hábito de agredir e ofender mulheres’, diz campanha de Alckmin

Gustavo Bebianno e Gulliem Lemos articularam a saída de Bolsonaro do Patriota e a migração do grupo para o PSL. Bebianno é atualmente o presidente em exercício do partido ao menos até o fim do período eleitoral. Leia a íntegra do texto que viralizou no WhatsApp e chegou ao Facebook:

“A crise interna do PSL compromete candidatura de Jair Messias Bolsonaro!

Bandidos tomaram de assalto o partido do Capitão e hoje colocam em risco a candidatura do próximo presidente do Brasil.

Presidente e vice-presidente atuais, que deveriam seguir as orientações do Bolsonaro, mudaram o estatuto do partido e hoje são os que decidem sobre candidaturas majoritárias e não mais os Estados. Com isso, fizeram do PSL um grande balcão de negócios. Vendem candidaturas a governo de Estados por milhões de reais, pedem apartamentos em troca. Aceitam coligações nos Estados com partidos de Esquerda e apoiam candidaturas de conhecidos picaretas, como é o caso, em Pernambuco, Tocantins, Bahia, Paraná e outros Estados.

O presidente, Gustavo Bebianno Rocha e principalmente o vice-presidente Gulliem Charles Bezerra Lemos (Julian Lemos) se infiltraram no partido para dinamitar a candidatura do capitão da reserva. Em uma estratégia para minar toda e qualquer possibilidade de dar um vice-presidente que fosse o melhor para a chapa, os dois articularam minuciosamente em pedir para possíveis nomes se filiarem a outros partidos para se coligar e ganhar mais tempo de TV. Só que “esqueceram” de combinar isso com o presidente dos partidos aliados. Aí que se instaurou uma das maiores jogadas que fizeram com que perdêssemos grandes nomes para ao final, ficássemos com apenas parcos nomes e principalmente, os dos dois.

Dinamitaram a possibilidade de tornar Janaína Paschoal vice, fazendo de tudo para que ela desistisse. Não suficiente, forjaram também um dossiê falso sobre o Principe, Luiz Philippe de Orleans e Bragança. A estratégia é clara, alcançar ainda mais poder e deixar, Jair Messias Bolsonaro rendido em um mar de bandidos e espertalhões que pensam apenas em seu próprio benefício.

O Presidente é ex-petista, tem ligação com José Dirceu, trabalhou no escritório do Advogado Bermudes, conhecido por defender bandidos como, Gilmar Mendes, Barroso e outros criminosos. Se diz advogado, mas até hoje teve apenas quatro casos na vida. Possui ligações diretas com a filha do Fux e possui um vasto currículo de alianças e conchavos com as velhas figuras da política asquerosa do Brasil.

O vice-presidente tem três processos por Maria da Penha, tendo agredido ex-mulher, como também, a própria irmã. Tem investigação por estelionato, tem o nome negativado, duas empresas que foram a falência e tenta a todo tempo em seu Instagram, pousar de empresário. É de fato um quebrado, incompetente, que a iniciativa privada expurgou por não ter capacidade nem de administrar uma empresa, quanto mais de fazê-la dar lucro. Seu intuito é apenas um, tentar justificar seu carro importado, sua nova casa milionária e vários outros bens, como se tivesse sido proveniente de sua vida como empresários e não dos assaltos que vive fazendo dentro do PSL.

Ambos saíram de meros pé-rapados para milionários do dia para a noite.

O próprio presidente do PSL-SP, Major Olímpio já denunciou o bancão de negócios que esse partido se tornou nas mãos desses dois bandidos que hoje detém inclusive poder sob a candidatura de Jair Messias Bolsonaro, já que o candidato à presidência pode ser trocado até 30 dias antes das eleições. Se atentarem contra a candidatura do próximo presidente desse país, não existirá mais lugar no mundo para eles, restará a eles, apenas o inferno. A militância fará justiça com as próprias mãos!”

O PSL não se pronunciou sobre o caso e afirmou apenas que medidas legais já estão sendo tomadas contra as pessoas que divulgaram as acusações falsas pelo Facebook e pelo WhatsApp.