Dominguetti pode ter negociado vacinas com a Havan, diz revista

·1 minuto de leitura

Em posse do celular de do policial militar Luiz Paulo Dominguetti, a CPI da Pandemia mostrou que mensagens que podem indicar negociação de venda de vacinas com a Havan, do bolsonarista Luciano Hang. "Pessoal da Havan e do MT estão no meu pé para fechar, mas sem este não avança", diz Dominguetti no texto enviado no dia 31 de março deste ano. A informação foi dada pelo coluna Radar, assinada por Robson Bonin na revista Veja. 

Leia também:

Na sessão de hoje, o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), decidiu levantar o sigilo do conteúdo do celular de Luiz Paulo Dominguetti. O cabo da Polícia Militar de Minas Gerais depôs à comissão na semana passada e ofereceu o aparelho de forma voluntária para perícia.

O pedido foi feito pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE). "No último dia 1º de junho, essa CPI ouviu o sr. Luiz Paulo Dominguetti. Como é de conhecimento de todos, o depoente, naquela ocasião, se dispôs a oferecer a este comissão todas as informações para ajudar o país a resolver a questão das vacinas. Ato contínuo, o senador Randolfe Rodrigues, no exercício da presidência, determinou a apreensão do celular do senhor Dominguetti, o que foi feito pela Polícia Legislativa do Senado Federal. Nós recebemos o conteúdo dessa apreensão e o conteúdo está rotulado como sendo sigiloso", explica o questão de ordem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos