Mensalidades escolares devem subir entre 9% e 12% no ano que vem

Se a classe média teve, neste fim de 2022, um alívio com a queda da inflação causada principalmente pela redução nos preços dos combustíveis, 2023 será de aperto nas contas para quem tem filho em idade escolar. Levantamento do Grupo Rabbit, consultoria especializada em educação, mostra que as mensalidades escolares devem subir entre 9% e 12% no ano que vem.

IPCA-15: Prévia da inflação volta a subir em outubro, após dois meses de queda

Efeito da inflação: Número de produtos deixados no caixa dos mercados salta 63% em um ano

É uma alta bem superior aos reajustes aplicados nos últimos dois anos, quando a pandemia obrigou várias escolas a adotarem o regime híbrido. Segundo dados do IBGE, em 2020, os cursos regulares tiveram alta de só 1,13%, refletindo os descontos aplicados no auge da pandemia. Em 2021, a alta foi de 2,64% e, este ano, até setembro, de 7,21%.

— O problema é que, na pandemia, as escolas se endividaram muito. Hoje, 70% têm um nível acentuado de dívida. E mesmo esse reajuste acima da inflação não será suficiente para pagar as dívidas que elas fizeram com os bancos — avalia Christian Rocha, diretor de conteúdo do Grupo Rabbit.

Atacarejo: Classe média recorre a redes de hipermercados, que já representam 40% das vendas

A estimativa para os aumentos de mensalidade da consultoria tem como base a situação de 1.480 escolas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio de todo o país e considera as necessidades de investimentos, reajustes salariais dos professores e a inflação.

Maiores problemas do país: Inflação muda hábitos de consumo, adia planos de estudo e aumenta dívidas de brasileiros

Paulo Presse, coordenador inteligência de mercados da Hoper Educação, acredita que as chamadas escolas premium, direcionadas às classes A e B1, como as que têm ensino bilíngue, vão conseguir repassar o aumento de preços.

Já as demais, conhecidas como escolas de varejo, que atendem à classe média, podem tentar implementar aumentos que não se concretizarão na prática.

— No mercado de conveniência, predomina a necessidade de desconto. Dependendo do aluno, os descontos chegam a 50% do preço da mensalidade — explica. — Há excesso de oferta, com mais escolas ofertando educação básica do que há dez anos.

Retrocesso: Brasil vai terminar 2022 mais pobre do que era há uma década, mostra levantamento

No Rio de Janeiro, o Colégio Cruzeiro, com unidades no Centro e em Jacarepaguá, informou aos pais que o reajuste para 2023 será de 9,11%. Na Sá Pereira, em Botafogo, a alta será de 11,89% e, no Edem, em Laranjeiras, de 12%.

Em São Paulo, segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do estado, os reajustes devem ficar entre 10% e 12%. O sindicato explica que este cálculo leva em conta custos como investimentos em tecnologia, aluguel, taxas e impostos, reajustes salarias de professores e funcionários e outras despesas.

O presidente do sindicado, Benjamin Ribeiro da Silva, acrescenta que as escolas só aumentam uma vez no ano. E compara o cenário atual ao de 2002, quando as escolas também enfrentaram uma inflação inesperada.

— Em 2002, as escolas não aumentaram acima da inflação e sofreram. Agora, estão mais uma vez em condições sofríveis em relação à parte financeira. Tiveram que investir muito em tecnologia na pandemia e ainda não conseguiram repassar o preço — aponta.

Para as famílias que precisam se equilibrar para pagar as contas, o educador financeiro Marlon Glaciano sugere tentar negociar com as escolas. Para quem tem mais de um filho, afirma, vale tentar um desconto maior.

— Geralmente, as escolas oferecem descontos para pontualidade nos dias de pagamento. Essa pode ser uma possibilidade. Tentar indicar alunos filhos de conhecidos para a instituição também pode render descontos em algumas escolas — comenta Glaciano. — É importante entender a sua capacidade financeira e ter uma visão clara do planejamento financeiro familiar para priorizar o colégio.

Rocha, do Grupo Rabbit, afirma que a crise também se reflete nas escolas. Segundo ele, a rematrícula está atrasada. Nessa época do ano, entre 70% e 75% dos pais costumam já ter renovado o vínculo com a escola para o período letivo seguinte.

— Estamos com índice de matrícula de 53%. A maioria dos pais deve fazer isso só em janeiro — comenta o diretor de conteúdo. — A questão é que muitas escolas não têm caixa e usam a verba da rematrícula para pagar o décimo-terceiro dos professores. Sem esse dinheiro, vão ter que recorrer a mais empréstimos.

Rocha lembra ainda que as escolas estão sofrendo com a inadimplência, que ficou entre 9% e 11% no primeiro semestre deste ano. Dados do Grupo Rabbit mostram que a média histórica de inadimplência nos dez anos imediatamente anteriores à pandemia, ou seja, até 2019, era de 5,5% no Rio de Janeiro e de 4,8% em São Paulo.

Incentivo ao desligamento: Eletrobras lança Plano de Demissão Voluntária para 2.312 empregados nesta terça-feira

Em nota, o Colégio Cruzeiro afirmou que, durante a pandemia, segurou o preço da mensalidade o máximo que pode. “Agora, para 2023, nosso reajuste será de 9,11% para cobrir nossos custos e despesas. Por não termos lucros a distribuir, sócios ou acionistas a serem remunerados, conseguimos realizar reajustes menores”.

Procuradas, outras escolas não responderam.