Mercadante afirma que maioria dos integrantes do governo de transição deve ser anunciada até o final da semana

O ex-ministro Aloizio Mercadante (PT), um dos coordenadores dos trabalhos de transição, afirmou nesta quarta-feira que todos os nomes que participarão do governo provisório devem ser anunciados até o final desta semana. Ele esteve na manhã desta quarta-feira no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, onde estão ocorrendo os trabalhos.

Leia mais: MDB indica Renan Calheiros e Jader Barbalho para conselho político de transição de Lula

Saiba: PRF afirma que não há mais bloqueios e interdições em rodovias federais

– O papel dos grupos de trabalho da transição é fazer um diagnóstico detalhado de cada um dos ministérios, saber como está a situação orçamentária, estrutura administrativa e as carências, além de discutir as prioridades do próximo governo. Eu imagino que entre hoje e amanhã a gente já anuncie praticamente todos os grupos – afirmou na entrada do Centro Cultural Banco do Brasil, sede do governo de transição.

Mercadante disse ainda que a equipe já solicitou ao governo do presidente Jair Bolsonaro as informações necessárias à transição, por meio de ofícios. Apesar de o time de Lula poder se comunicar diretamente com os ministérios, a atual gestão pediu para que as solicitações sejam concentradas na Casa Civil, pasta que oficialmente representa o governo federal na transição.

– Todos os nossos requerimentos são encaminhados para a Casa Civil. O Tribunal de Contas da União fiscaliza e acompanha a devolutiva e isso está sendo cumprido – completou.

Nesta terça-feira, foram oficializados cinco nomes cinco para integrar a equipe de transição na área da saúde: o médico David Uip, o senador Humberto Costa (PT-PE), o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), José Gomes Temporão e Arthur Chioro. Os quatro último já comandaram o Ministério da Saúde.

Mais cedo, também foram confirmados nomes na economia (André Lara Resende, Pérsio Arida, Nelson Barbosa e Guilherme Mello).

Para auxiliar Alckmin na coordenação-geral, atuarão o ex-governador de São Paulo Márcio França e o prefeito de Recife, João Campos, ambos do PSB. A futura primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja, coordena a organização de posse de Lula, enquanto o coordenador jurídico será o ex-deputado pessebista Floriano Pesaro. Já a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, coordena a articulação política, com grupo de políticos que representam os partidos aliados do presidente eleito.

Ao todo, serão 31 grupos temáticos. Alckmin também assinou nesta terça-feira a portaria que instala o Gabinete de Transição. O local onde a equipe de Lula irá trabalhar fica no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília.