Mercado eleva expectativa de crescimento para 0,7% em 2023 e vê inflação maior em 2022

Bancos e corretoras revisaram para cima suas projeções de crescimento do PIB para 2023 de 0,64% na última semana para 0,7% nesta segunda-feira. A expectativa consta no relatório Focus divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira.

Novo governo: Bancos públicos vão focar em endividados, MEIs, ações sociais e indústria no novo governo

Soluções: PT avalia alternativas ao orçamento secreto, mas aposta em saída pelo STF

Essa foi a sexta semana seguida de alta na expectativa de crescimento da atividade no próximo ano, de acordo com o Focus, que reúne as projeções de mercado. Em setembro, a projeção era de 0,5%.

Ainda segundo o Focus, o mercado espera inflação de 4,94% para 2023, abaixo dos 5% projetados há quatro semanas. Mesmo com a redução, a inflação estouraria a meta para o ano que vem. O centro da meta é de 3,25% com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo.

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, afirma que o mercado ainda deve aguardar indicações mais claras da política econômica do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para alterar suas projeções. Segundo ela, as mudanças nas expectativas de PIB e inflação ainda não refletem as movimentações dos dias posteriores à eleição.

— O fato é que é tudo muito recente então pra gente começar a ver alguma alteração nessas projeções referente a essa expectativa, precificação, do início do novo governo Lula, a gente vai ter que esperar o desdobramento das discussões da PEC da Transição e os nomes que vão compor a equipe econômica — disse.

Para 2022, o mercado projeta crescimento de 2,76% refletindo o impacto da PEC Eleitoral, que permitiu a injeção de R$ 41,2 bilhões na economia.

Já a projeção de inflação subiu pela segunda semana seguida e ficou em 5,63% neste ano. No entanto, o número ainda é menor do que os 5,71% esperados um mês atrás.

Neste patamar, a inflação deve estourar a meta de 3,5% estipulada para este ano, mesmo considerando o intervalo de tolerância com teto de 5%.

Rafaela Vitória, economista-chefe do banco Inter, não vê muitas novidades no Focus desta segunda-feira e ressalta o crescimento da projeção do PIB para 2023.

— Mesmo com cenário externo mais desafiador, a revisão pode estar refletindo, em parte, um crescimento estrutural maior, com o resultado já observado em 2022. Os setores de serviços e investimentos vêm surpreendendo, com crescimento mais forte mesmo em meio ao aperto monetário em curso — ressaltou.

O mercado não muda suas projeções para os juros há alguns meses. Para 2022, faz 20 semanas que a expectativa é de manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 13,75%. No próximo ano, o mercado acredita que a taxa deve ficar em 11,25% há 9 semanas.