Mercados da cidade chinesa de Wuhan celebram Ano Novo Lunar, apesar da covid-19

Os habitantes de Wuhan frequentam, neste sábado (21), o animado mercado das flores, para se prepararem para o Ano Novo Lunar, três anos depois que um misterioso vírus mergulhou a cidade chinesa em um aterrador confinamento.

Enquanto algumas pessoas escolhiam a cor e o tipo de flores para celebrar a Festa da Primavera, outras foram ao mercado por um motivo mais triste: a morte de um ente querido, devido à recente onda de covid-19.

"Tenho amigos e familiares que faleceram durante este período", disse Zhang, de 54 anos, à AFP, segurando um buquê de crisântemos, que simbolizam a dor na cultura chinesa.

Visitar as casas de pessoas que faleceram recentemente para oferecer-lhes flores é parte dos costumes da véspera de Ano Novo, na província de Hubei, da qual Wuhan é a capital, disse Zhang, que preferiu não dar seu nome todo.

Em dezembro, Pequim suspendeu a estratégia draconiana de "covid zero" imposta pelas autoridades, uma política que desacelerou a economia do gigante asiático e desencadeou grandes manifestações.

Desde então, o país registrou um aumento espetacular do número de casos. Wuhan, uma metrópole às margens do rio Yangtse, registrou os primeiros casos de covid-19 no mundo no final de 2019. Seus moradores ainda se recordam de que, para conter os contágios, as autoridades impuseram um confinamento rigoroso dois dias antes do Ano do Rato, em janeiro de 2020.

Privados das celebrações de Ano Novo, os 11 milhões de habitantes desta cidade ficaram isolados do mundo por 76 dias. A cidade se tornou, então, epicentro de uma epidemia que se tornou mundial.

- "I love Wuhan" -

Neste sábado, a cidade parecia ter voltado ao normal e se preparava para comemorar um dos feriados mais importantes do ano na China. Lanternas multicoloridas enfeitavam o bairro comercial de Jianghan e, em uma das paredes, uma grande faixa com um coração dizia em inglês: "I love Wuhan" ("eu amo Wuhan").

"Agora, como todo o mundo já teve covid, podemos ter um bom Ano Novo chinês. Isso nos deixa muito felizes", disse Zhu à AFP, enquanto comprava flores no mercado.

O fim das restrições também deu um novo impulso aos floristas.

“No início do ano, com a covid, não tínhamos negócio”, lembra Liu, uma comerciante de 60 anos. “Agora que reabrimos, temos um pouco mais”, afirmou.

“Durante a covid, havia muito poucas pessoas comprando flores, mas, nestes anos, muita gente morreu de covid, então as vendas de crisântemos aumentaram muito”, comentou Tao, outro vendedor.

"Durante o confinamento, não vendemos nenhuma das flores que tínhamos. Jogamos todas fora", conta, enquanto dava os toques finais em um arranjo.

sbr-vl/je/pbt/sag/mar/tt