Mercedes alega falta de sorte para Hamilton igualar Russell

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
George Russell tem batido Lewis Hamilton nas primeiras etapas do mundial de 2022. Foto: Mark Thompson/Getty Images
George Russell tem batido Lewis Hamilton nas primeiras etapas do mundial de 2022. Foto: Mark Thompson/Getty Images

Quando George Russell foi promovido da Williams para uma vaga na Mercedes durante o período de entressafra para substituir Valtteri Bottas, da Alfa Romeo, como novo companheiro de equipe de Hamilton poucos imaginariam que ele poderia ser melhor que o heptacampeão mundial nas primeiras corridas da temporada.

Até o momento foram sete etapas do mundial de pilotos com Russell chegando à frente de Hamilton em seis. Em disputas por um lugar no grid de largada a briga é um pouco mais equilibrada, mas Russell também lidera com 4 a 3 na qualificação.

Leia também:

Enquanto Hamilton segue lutando para tirar o máximo proveito do carro W13 da Mercedes, o chefe da equipe, Toto Wolff, acredita que apenas a má sorte está impedindo Hamilton de igualar Russell regularmente.

Em Mônaco, Hamilton perdeu para Russell na qualificação depois que sua última volta rápida foi abortada devido a uma bandeira vermelha e ficou impotente para subir no grid.

Isso ocorreu após o toque com Kevin Magnussen da Haas na Espanha e vários casos no início da temporada em que um carro de segurança inoportuno arruinou sua estratégia.

Quando perguntado se Russell vencendo Hamilton havia se tornado a norma agora, Wolff respondeu: “Não, acho que quando você olha para os maus momentos que Lewis teve, quero dizer, olhe para a corrida”, explicou.

“Contato com Esteban [Ocon], preso atrás de Fernando [Alonso], bandeira vermelha na classificação, e acho que o pêndulo vai balançar. Essas situações de azar param com Lewis, eles estão no mesmo ritmo. Durante os treinos, um lidera e depois o outro. E isso é ótimo”, disse o esperançoso dirigente.

Depois de lutar para vencer McLaren e Alfa Romeo no início devido às suas limitações, a Mercedes agora parece ser a terceira equipe mais rápida do grid.

Wolff admitiu que o terceiro lugar na classificação é “onde pertencemos, mas não onde queremos estar”, já que a Fórmula 1 segue para Baku na próxima semana.

“Este é o nosso lugar, mas não é aqui que queremos estar e é por isso que se você está herdando um pódio, isso é bom. É bom para os pontos a longo prazo, mas não quero nada disso. Quero fazer parte da vitória na frente, e essas são lições importantes que aprendemos aqui e serão a base para nosso desempenho a longo prazo novamente”, finalizou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos