África do Sul se desculpa com rei de Lesoto por tratamento na fronteira

Johanesburgo, 28 mar (EFE).- O governo da África do Sul enviará a ministra de Relações Exteriores Lindiwe Sisulu para pedir pessoalmente desculpas ao rei de Lesoto, Letsie III, pelo tratamento inadequado que ele disse ter recebido na fronteira entre os dois países, informou a imprensa local nesta quarta-feira.

Sisulu viajará "em breve" para pedir perdão em nome do governo do presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa. O monarca se desagradou por ter sido parado num dos cruzamentos da fronteira e fez uma queixa formal ao governo federal.

"O problema com o rei envolve a fronteira. Não está contente com o modo como foi tratado. A ministra irá a Lesoto para pedir desculpas a ele. O assunto requer que a ministra viaje ao país", declarou ao jornal sul-africano "The Times" o porta-voz da ministra, Ndivhuwo Mabaya.

O conflito diplomático foi divulgado ontem depois que a titular de Relações Exteriores sul-africana se reuniu com responsável pela mesma função em Lesoto, Lesego Makgothi. Os detalhes do caso não são conhecidos.

"Existem problemas na operação das fronteiras. Há cabines dedicadas aos cidadãos da África do Sul e aos de Lesoto. A cabine de Lesoto sempre tem uma fila longa e a da África do Sul é curta, às vezes vazia. Ele achou que não recebeu um tratamento justo. Existem alguns problemas sobre a demora para conseguir a permissão de entrada", indicou Mabaya.

Lesoto é um país com monarquia parlamentar e pouco mais de 2 milhões de habitantes localizado no meio do território sul-africano. EFE

ngp/cdr