Merkel adota auto-isolamento depois que médico que a atendeu teve contágio por coronavírus confirmado

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 20-08-2015 - A Presidente Dilma Rousseff durante declaração à imprensa com a chanceler alemã Angela Merkel que está em visita oficial ao Brasil, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, entrou em auto-isolamento depois que um médico que lhe aplicara uma vacina na última sexta (20) teve confirmada a infecção pelo novo coronavírus.

O anúncio foi feito neste domingo (22) pelo porta-voz de Merkel, depois que ela deu entrevista sobre novas medidas para combater a pandemia na Alemanha.

Segundo o porta-voz, Merkel fará testes para coronavírus nos próximos dias, porque um exame agora não seria conclusivo.

A primeira-ministra continuará trabalhando de casa.

Neste domingo, Merkel anunciou que reuniões de mais de duas pessoas estão proibidas na Alemanha, para combater a pandemia de coronavírus.

A regra não vale para pessoas que dividem a mesma casa.

A decisão foi tomada em reunião com os 16 governos regionais.

Bares e restaurantes também devem ser fechados ao público nos estados que ainda não haviam adotado essa medida; a entrega em domicílio é permitida.

A restrição nacional de funcionamento se estende a cabeleireiros, bordéis, clínicas de massagem e estúdios de tatuagem.

Até as 13h (horário do Brasil) de domingo, havia 23.978 casos confirmados de infecção por coronavírus na Alemanha, o quinto maior número no mundo, atrás de Itália, China, Espanha e Estados Unidos.

O país, porém, tem apenas 93 mortes por causa da Covid-19, nono maior número no mundo. A Alemanha é um dos países com melhor estrutura hospitalar e de atendimento intensivo na Europa.