Duterte chama comissário de direitos humanos da ONU de "filho-da-puta"

Manila, 4 abr (EFE).- O presidente da Filipinas, Rodrigo Duterte, chamou de "cabeça oca" e "filho-da-puta" o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al Hussein, um mês depois que este sugeriu uma "avaliação psiquiátrica" do líder filipino.

"Comissário, filho-da-puta, necessito ir ao psiquiatra? O psiquiatra me disse: o senhor está bem, só é arrogante e desbocado. Mas a quem te criticou, diga que penso que tem a cabeça oca", disse Duterte, entre risos e aplausos do público, em discurso na noite de terça-feira em Mindoro Oriental.

Levando as mãos aos cabelos, Duterte disse que o diplomata jordaniano que "tem uma grande cabeça, mas está vazia. Não há massa cinzenta entre as suas orelhas. Nem sequer pode manter os nutrientes para que cresça o cabelo, por isso está ficando calvo", segundo a transcrição do discurso publicada pelo Escritório Presidencial.

O antagonismo entre ambas autoridades tem sua origem nas denúncias da ONU sobre supostas execuções extrajudiciais durante a "guerra antidrogas", uma campanha governamental que registrou mais de 7 mil mortes desde que Duterte chegou ao poder em junho de 2016.

O presidente ameaçou em novembro "esbofetear" Agnes Callamard, relatora especial das Nações Unidas sobre execuções extrajudiciais, por ter criticado a campanha antidrogas durante uma visita não oficial à Filipinas.

No começo de março, Zeid Ra'ad al Hussein qualificou o comentário de Duterte como "inaceitável" e afirmou que o chefe de Estado "necessita de uma avaliação psiquiátrica".

Tais declarações, consideradas incomuns para um representante da ONU, geraram protestos do Governo das Filipinas, que as qualificou de "irresponsáveis" e "desrespeitosas" e garantiu que insultar o líder de um Estado-membro marca um perigoso precedente nas Nações Unidas.

Duterte confessou em seu discurso de ontem à noite que em seu entorno próximo o aconselharam a não responder ao jordaniano e por isso não tinha feito até agora, mas ao final decidiu que era melhor se "vingar".

Famoso pela sua retórica agressiva, o líder de 73 anos foi foco de atenção em várias ocasiões por dedicar o qualificativo "putang ina" (" filho-da-puta " em filipino) a Barack Obama, ao papa, representantes da UE e outras autoridades mundiais. EFE