Mesa sobre questões de gênero na Flip inclui a argentina Camila Sosa Villada

A última mesa da noite desta quinta-feira na Flip, "A festa das irmãs perigosas", reuniu Camila Sosa Villada e Luciany Aparecida, escritoras que desorganizam gêneros literários canônicos a partir das questões de gênero.

A mediadora , Nanni Rios, lembrou que a última e única vez que a Flip havia convidado uma travesti havia sido em 2010.

Copa 2022: Estreia do Brasil na Copa do Mundo para a Flip em Paraty

Flip: Edição especial do GLOBO sobre a feira tem reportagens e serviços sobre a festa literária

Em 2022, a festa tem duas escritoras travestis, incluindo Sosa Villada. A Argentina falou sobre a sexualidade e violência em suas obras.

— Considero que a primeira violência é a da linguagem — disse. — É algo muito violento que nos impõe e que recebemos sem termos pedido. a partir daí tudo que é escrito e falado se torna uma coisa herdara a partir da violência. Falo daquilo que conheço, que vejo e sinto. Não posso não falar do sexo sem ter sido uma trabalhadora sexual e tendo aprendido muita coisa que não é ensinada em nenhuma família ou universidade ou religião, e que tem a ver com o perigo que os outros significam, o perigo que é se ligar com alguém. É viver tendo a consciência de que o outro é sempre uma possibilidade de violência. Não posso evitar escrever sobre isso.