Empresa de Weinstein declara falência e anula acordos de confidencialidade

Washington, 20 mar (EFE).- A empresa do produtor americano Harvey Weinstein, a Weinstein Company, declarou falência e rompeu "com efeito imediato" os acordos de confidencialidade que impediam vítimas de assédio sexual de falar.

Também ficam liberadas testemunhas desses casos, conforme uma declaração da companhia divulgada ontem à noite e repercutida nesta terça-feira pela imprensa americana.

"Ninguém deveria ter medo de falar nem ser forçado a permanecer calado", diz a nota.

O processo de falência iniciado inclui essa decisão, que foi impulsionada pelo procurador-geral do estado de Nova York, Eric T. Schneiderman. A promotoria de Nova York apresentou um processo em 11 de fevereiro por violação de direitos civis contra Weinstein, o irmão dele Bob e a empresa que ambos dirigiam como resultado de uma investigação por conduta sexual inadequada.

A denúncia continha novas declarações contra Weinstein, principal responsável pelo estúdio de produção, a respeito de "maus-tratos" e "exploração" que exercia nos funcionários, assim como testemunhos destes como vítimas de assédio sexual, intimidação e outras condutas.

No comunicado, a companhia Weinstein agradeceu a atitude das "pessoas corajosas que já deram um passo à frente".

"As vozes de vocês inspiraram um movimento de mudança em todo o país e no mundo (...). A companhia lamenta não poder desfazer o prejuízo causado por Harvey Weinstein, mas espera que os eventos de hoje marquem um novo começo", declara a direção da empresa no texto.

De acordo com Schneiderman, a decisão de permitir que as vítimas e testemunhas falem do ocorrido é "um momento decisivo nos esforços para abordar os efeitos corrosivos da má conduta sexual no lugar de trabalho".

A abertura do pedido de falência foi feita ontem à noite perante o Tribunal de Falência dos Estados Unidos em Delaware.

A Lantern Capital Partners irá adquirir a Weinstein Company durante o processo de quebra por US$ 500 milhões, segundo a imprensa americana. EFE