Mesmo com adiamento para 2021, Honda, do Botafogo, ainda sonha em disputar Olimpíada

Honda, do Botafogo

O japonês Keisuke Honda veio ao Brasil em busca de um lugar para se manter em forma visando à disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio, tanto que assinou contrato com o Botafogo até dezembro de 2020. Mas o sonho foi adiado. Aposentado da seleção em 2018, o jogador afirmou ontem ao programa de TV japonês "News Zero" que sonha sim disputar o torneio olímpico em casa, mesmo com o adiamento para 2021.

— Sim, eu quero. Não sei muito sobre o nível de dificuldade da competição olímpica do futebol, mas sei que sou melhor que os jovens jogadores (seleção sub-23) do Japão — disse.

Logo após a notícia do adimento, o meia disse nas redes sociais que isso não seria um problema para ele, e agor apoderia ser dedicar mais ao clube. O Botafogo quer resolver questões mais urgentes no momento, mas não descarta tentar renovar com o japonês de 33 anos até fim de 2021. Honda ainda não teve tempo de mostrar se repertório, e mais tempo por aqui ajudaria o jogador a chamar a atenção da seleção japonesa.

— Acho que posso trazer força ao time e quero seguir melhorando o meu desempenho para entrar entre os convocados. Acho que as Olimpíadas de Tóquio terão muita pressão porque serão realizadas no Japão. Como seremos anfitriões, teremos que lidar com essa pressão, tenho certeza que vou jogar muito bem, como sempre. Nessa situação, até grandes jogadores podem não conseguir demonstrar o seu melhor, e acho que essa é a força mental e competitiva que tenho para o torneio.

Honda vive na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, e está fazendo aulas de português por vídeo chamada em tempos de coronavírus. Em isolamento, tem mantido a forma com o preparador físico particular. A família do jogador estava prestes a se mudar para o Brasil, mas, por ora, segue no Japão.