Mesmo com alta em casos de Covid-19, França diz Djokovic pode disputar Roland Garros sem comprovante de vacinação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Novak Đoković
    Novak Đoković
    Tenista sérvio

Diferentemente da Austrália, a França parece se mostrar mais flexível nos protocolos de combate à Covid-19, apesar da alta de casos. A ministra do Esporte do país, Roxana Maracineanu declarou que, caso o tenista sérvio Novak Djokovic queira competir Roland Garros, que começa em maio, ele terá apenas que apresentar um resultado negativo para a doença. O atleta está em um impasse com o governo australiano, que, por sua vez, suspendeu o visto dele.

"Ele não seguiria os mesmos processos organizacionais dos que estão vacinados, mas poderá competir em Roland Garros, por conta dos protocolos, e da bolha sanitária, que o permitem", declarou Maracineanu. O quadro no país europeu não é compatível ao caso. Na última terça-feira, 4, a França registrou um novo recorde casos confirmados de Covid-19: foram 271.686 positivos em 24 horas.

Paralelo a isto, na Austrália, Djokovic se recusa a apresentar um comprovante de vacinação e, consequentemente, o país da Oceania não permite que ele entre no território para competir o Australian Open.

Djokovic está em um hotel em Melbourne, onde permanecerá até a próxima segunda-feira, quando haverá uma audiência para decidir se ele será deportado ou permitido de entrar no país. O tenista foi barrado e retido no aeroporto assim que desembarcou.

O atleta seria deportado para a Sérvia nesta quarta-feira, mas um recurso apresentado por seu advogado adiou o retorno.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos