Mesmo com bloqueio de bens do prefeito, vacinação segue confusa em Caxias

·3 minuto de leitura

RIO — O bloqueio de R$ 5 mil e a apreensão de cinco carros do prefeito Washington Reis não mudaram os problemas quase diários da vacinação em Duque de Caixas. Nesta quarta-feira, centenas de pessoas compareceram aos postos de imunização montados no município da Baixada Fluminense, mas a maioria saiu frustrada, sem conseguir uma dose.

Foi anunciado pela Prefeitura em suas redes sociais que o Posto Municipal de Saúde, no Centro de Caxias, faria a aplicação da primeira dose para pessoas com comorbidades, deficiências e grávidas a partir de 18 anos e segunda dose para todos que tomaram a Coronavac. Com isso, muitas pessoas se dirigiram ao local ainda na noite de ontem, formando uma longa fila que se estendia por quarteirões, uma imagem já comum no município. Pela manhã, no entanto, funcionários do posto e guardas municipais anunciaram que não haveria mais aplicação da primeira dose, o que causou um princípio de confusão.

Com tem comorbidade, a auxiliar de conferência Dulcineia Dias chegou na fila ainda de madrugada na tentativa de conseguir a vacina antes de seguir para o trabalho. Ao ser informada de não poderia ser vacinada, ela reclamou bastante com os funcionários do posto pela falta de organização e informação com as pessoas na fila.

— Cheguei na fila quatro horas da manhã, não consegui me vacinar e agora vou chegar atrasada no trabalho sem levar nenhum comprovante de vacina para justificar. Uma sacanagem com todos aqui, não avisaram que não tinha a primeira dose.

Mesmo assim muitas pessoas ainda permaneceram na fila para tentar a imunização. Para evitar imagens da fila, os funcionários da prefeitura colocaram as pessoas para esperar dentro do posto de saúde, onde ficaram aglomeradas, sem distanciamento. Ao perceberem que era possível fazer imagens da aglomeração em cima de uma passarela ao lado do posto, os fiscais movimentaram a fila para um corredor lateral, onde as pessoas ficaram ainda mais apertadas e próximas umas das outras.

Cansada, a aposentada Antonieta Rocha de Oliveira, de 76 anos, moradora do Parque Paulista, tentava pela sétima vez receber a segunda dose da CoronaVac. Ela pediu um banco para aguardar pela sua vez, enquanto a neta permanecia na fila torcendo para que a vacina não acabasse, como das tentativas anteriores. Felizmente, dessa vez ela conseguiu a imunização, embora duvidasse da eficácia, uma vez que a primeira dose foi tomada mais de dois meses atrás.

— Eu não sei se vai funcionar, espero que sim, pois tomei a primeira dose mais de dois meses atrás e ouvi dizer que não podia tomar a segunda mais de um mês depois. Tentei em outros postos antes, mas sempre esgotava a vacina antes da minha vez. Meus netos que não deixaram desistir de tomar e sempre me acompanhavam nos postos. Hoje tá cheio aqui, mas vou rezar pra sobrar uma ali pra mim, depois é rezar para funcionar, mesmo com esse tempo todo que passou.

Em nota, a Prefeitura de Duque de Caxias informou que a vacinação foi programada levando em conta os últimos quantitativos registrados pela Secretaria Municipal de Saúde, mas a demanda excedeu em três vezes a expectativa. A partir desta quinta-feira (27), a aplicação da primeira dose para pessoas com comorbidades e deficiências permanentes está suspensa e será retomada conforme a entrega de novas doses pelo Ministério da Saúde.

Sobre o bloqueio de R$ 5 mil da conta de Washington Reis, a prefeitura informa que o mesmo ainda não foi pessoalmente intimado, assim como a Procuradoria Geral do Município, e que os valores bloqueados na conta corrente são inegavelmente decorrentes do depósito de seu salário e, portanto, impenhoráveis. A Prefeitura que rechaça a ação de improbidade interposta e que gerou o bloqueio, já que a mesma visa impugnar políticas públicas de vacinação que estão sendo perpetradas em outros municípios sem questionamentos tão veementes quanto em Duque de Caxias.