Mesmo com proibição, Rio tem festas clandestinas e aglomerações nos últimos dias do ano

·1 minuto de leitura
Polícia tentou dispersar aglomeração em Ipanema, mas muitas pessoas continuaram no calçadão (Foto: Reprodução/ TV Globo)
Polícia tentou dispersar aglomeração em Ipanema, mas muitas pessoas continuaram no calçadão (Foto: Reprodução/ TV Globo)

As imagens da praia de Ipanema, na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, mostram que, apesar da proibição, as festas de fim de ano estão acontecendo. Entre os temas mais comentados nas redes sociais, a aglomeração de pessoas na altura do Posto 9 desrespeita todas as normas da cidade, que visam evitar ainda mais a proliferação do coronavírus.

Na tarde da última quarta-feira, 30, a praia de Ipanema ficou lotada. As imagens, divulgadas nas redes sociais, mostram que os presentes, em sua maioria, não usavam máscara nem respeitavam o distanciamento social.

O prefeito em exercício, Jorge Felippe, assinou um decreto no último dia 28 proibindo festas até o dia 1º de janeiro, às 6h. Neste ano, o Rio não terá show na praia nem a tradicional queima de fogos em Copacabana.

Leia também

Segundo informações do G1, a polícia interveio no início da madrugada para dispersar a aglomeração, mas parte das pessoas continuaram no calçadão. De acordo com o balanço do consórcio de veículos de imprensa, divulgado na noite de quarta-feira, o Brasil teve 1.224 mortos nas 24h anteriores.

Este não foi o único caso de festa identificada nos últimos dias no Rio de Janeiro. Também na quarta-feira, uma festa em Santa Teresa acabou após a chegada da PM. Um major do Corpo de Bombeiro foi detido depois de tentar impedir o trabalho dos policiais.

Na terça-feira, 29, a Polícia Militar e os Bombeiros interditaram uma festa de música eletrônica no Faro Beach Club, no Leblon. Havia cerca de duas mil pessoas no local e o evento era irregular.