Mesquita de Al Aqsa em Jerusalém reabrirá no domingo

(Arquivo) O Domo da Cúpula da Rocha, próximo à mesquita Al Aqsa, em Jerusalém

A mesquita Al Aqsa, em Jerusalém, reabrirá no próximo domingo após dois meses fechada por causa da epidemia do novo coronavírus, informou nesta quarta-feira (27) um alto funcionário do Waqf, instituição que administra os locais sagrados muçulmanos na Cidade Santa.

"Todas as portas da mesquita de Al Aqsa serão abertas no domingo de manhã", declarou à AFP o seque Omar al Kisswani, diretor da mesquita.

Ainda não está claro se ambas mesquitas existentes no local, Al Aqsa e a Cúpula da Rocha, estarão abertas aos fiéis, ou apenas estará disponível a esplanada externa, local também usado pelas pessoas para fazer suas orações.

A mesquita foi fechada em março como parte das medidas de contenção do novo coronavírus.

A esplanada das mesquitas, chamada pelos muçulmanos de Santuário Nobre e pelos judeus de Monte do Templo, abriga o Domo da Rocha e a Mesquita de Al Aqsa. A área é administrada pela agência Jerusalem Waqf, que por razões históricas depende da Jordânia.

Após a propagação da epidemia, a mesquita de Al Aqsa foi fechada pela Waqf, mas os fiéis foram autorizados a rezar ao ar livre, na esplanada localizada em Jerusalém Oriental.

Com uma população de cerca de nove milhões de pessoas, Israel registrou mais de 16.700 casos de coronavírus e 281 mortes.

No lado palestino, na Cisjordânia ocupada foram registrados menos de 500 infectados, e na Faixa de Gaza foram confirmadas apenas três mortes para uma população de mais de 4,5 milhões.