Messi 'terá de aceitar corte salarial' para renovar com o Barcelona, diz candidato à presidência

·1 minuto de leitura
Foto: Lluis Gene/AFP
Foto: Lluis Gene/AFP

Lionel Messi pode ser obrigado a concodar com uma redução salarial se quiser permanecer no Barcelona. Candidato à presidência do clube, Toni Freixa colocou na mesa as condições para a renovação de contrato do argentino, que tem vínculo até o meio do ano que vem.

— Com Leo falaremos com calma, cara a cara com os melhores interesses do Barcelona no coração. A ele, assim como a todos os jogadores que têm de renovar ou assinar, vamos fazer uma oferta que, claro, não será viável para corresponder aos termos que teve até agora — disse Freixa em entrevista ao programa de TV "El Curubito".

O Barcelona foi duramente atingido pela crise do coronavírus e, e precisa cortar sua folha de pagamento em cerca de 190 milhões de euros para tentar equilibrar as contas. Estrelas como Gerard Pique, ter Stegen, Clemenet Lenglet e Frenkie de Jong, já concordaram com a redução de seus salários.

Aos 33 anos, Messi mostrou seu descontentamento com a situação do clube e esteve muito perto de sair na última janela de transferências. A partir de janeiro, ele já pode assinar um pré-contrato e deixar o Barcelona sem custos, caso não haja renovação.

— É evidente, e os sócios não podem se enganar, que a proposta que lhe será apresentada não será a mesma que teve até agora, porque o rendimento caiu significativamente e será necessário encontrar outra fórmula — disse o candidato á presidência sobre Messi. — É preciso olhá-lo nos olhos e conversar com ele para saber o que cada parte quer. Achamos que Messi ainda tem muito futebol para jogar.