Messina prega 'Crivella não' e diz que prefeito criticava Bolsonaro e elogiava Alckmin em 2018

Paulo Cappelli
·2 minuto de leitura
Foto: Foto: Fabio Rossi / Agência O Globo
Foto: Foto: Fabio Rossi / Agência O Globo

RIO - Candidato a prefeito pelo MDB no primeiro turno, Paulo Messina afirmou nesta quinta-feira (19) que o partido vai liberar seus filiados para ficarem neutros ou fazerem campanha para Eduardo Paes (DEM), mas que ele, Messina, não apoiará nenhum candidato e defenderá apenas o "Crivella não", a exemplo da postura adotada pelo PSOL.

No vídeo, Messina afirma que o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) é "mentiroso", por ter falado supostas inverdades durante a campanha relacionadas a temas como Saúde e Educação. Messina também criticou Crivella por, segundo o vereador, passar a adotar um "discurso de ódio", "radical", que não era inerente ao prefeito. Segundo Messina, durante reuniões de secretariado em 2018, o prefeito chegou a criticar o presidente Jair Bolsonaro - hoje o principal cabo eleitoral de Crivella - para elogiar o então candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin.

— O governo Crivella prefere reformar pracinha de campo de futebol do que escolas. Crivella mente. Disse na CNN que tinha migrado todos os diretores (de escolas) para 40 horas. Isso é mentira. Os diretores continuam ganhando uma miséria. Ontem, gritou destemperado dizendo que tinha pago às OSs. Crivella é mestre nisso: não tem dinheiro, não paga e joga a culpa nas OSs. Não é de confiança — disse Messina, em trecho do vídeo.

— Crivella está com um discurso de ódio, uma forma de falar assustadora e um radicalismo extremado que ele nunca teve. Em 2018, por exemplo, nas reuniões de secretariado, o que ele mais fazia era criticar Bolsonaro a favor do Geraldo Alckmin. Se você pega os vídeos de Crivella em 2018 e agora, é um outro Crivella. E piorado.

Messina, contudo, disse que não apoiará Eduardo Paes, que era filiado ao MDB antes de migrar para o DEM, para se distanciar de Sérgio Cabral e do grupo político do ex-governador.

O GLOBO procurou a assessoria de imprensa de Crivella para saber se o prefeito pretende se posicionar sobre as críticas feitas por Messina, mas ainda não obteve retorno.