Meta, antiga Facebook, acaba de receber seu primeiro grande processo nos EUA

·3 min de leitura
(JIM WATSON/AFP via Getty Images)
(JIM WATSON/AFP via Getty Images)
  • Segundo o procurador do caso, a empresa teria falhado em divulgar informações cruciais à seus investidores

  • Dentre as informações estão as pesquisas internas sobre os efeitos danosos que a plataforma tem em crianças

  • Relatórios vazados pela deltadora, Frances Haugen, servem de prova no caso

O procurador-geral do estado de Ohio, nos Estados Unidos, abriu um processo contra a Meta, anteriormente conhecido como Facebook, nesta segunda-feira, acusando a empresa de violar a lei federal de valores mobiliários ao não divulgar aos investidores as pesquisas internas sobre os efeitos nocivos de suas plataformas sobre as crianças.

O caso foi feito em nome do Sistema de Aposentadoria de Funcionários Públicos de Ohio e dos investidores do Facebook, que coletivamente perderam mais de US $ 100 bilhões em participação de mercado desde que a funcionária que se tornou denunciante, Frances Haugen, vazou pela primeira vez documentos internos para o Wall Street Journal, disse o procurador-geral, David Yost.

"O Facebook disse que estava cuidando de nossos filhos e eliminando o discurso de ódio online, mas na realidade estava criando miséria e divisão para o lucro", disse Yost em um comunicado à imprensa. "Não somos pessoas para Mark Zuckerberg, somos o produto e estamos sendo usados ​​uns contra os outros por ganância."

Leia também:

Yost disse no comunicado que espera recuperar as perdas do fundo de pensão com o processo, bem como garantir que a empresa "faça reformas significativas" para evitar enganar o público novamente.

Um representante do Facebook disse: "Este processo não tem mérito e vamos nos defender vigorosamente."

O caso de segunda-feira é provavelmente o primeiro grande processo contra a empresa desde que Haugen vazou pela primeira vez milhares de discussões internas, memorandos e pesquisas para reguladores federais e para a mídia. Entre a coleção de materiais estão provas em que o Facebook sabia que seus produtos não eram saudáveis ​​e eram potencialmente perigosos para usuários adolescentes, mas foram contrários aos esforços para neutralizar esse dano.

Haugen testemunhou perante o Congresso que a empresa prefere "lucros em vez de segurança".

A empresa afirmou que os documentos não retratam um quadro completo da Meta e de seus esforços de segurança. O preço de suas ações caiu cerca de 9% desde que os primeiros relatórios do "Facebook Papers" começaram a ser publicados em setembro.

O processo de segunda-feira também está entre os primeiros no que os especialistas dizem ser uma enxurrada de ações legais contra a Meta. O analista Blair Levin disse à publicação americana Insider em outubro que ações judiciais coletivas - como as que já foram abertas - e investigações conduzidas por procuradores-gerais estaduais como Yost poderiam ser ameaças mais terríveis do que qualquer nova regulamentação federal do Congresso.

Isso porque o tribunal poderia forçar Meta a tornar públicos mais documentos internos, o que poderia "render evidências ainda mais problemáticas para o Facebook", disse Levin.

Yost foi anteriormente um dos 40 procuradores-gerais do estado que, em maio, escreveu uma carta ao CEO Mark Zuckerberg implorando para que a empresa interrompesse os planos de lançar uma versão do Instagram para crianças.

O Instagram afirmou que o aplicativo centrado nas crianças permitiria aos pais supervisionar e controlar melhor as experiências de seus filhos. Mas, citando a reação, o Instagram disse em setembro que estava interrompendo seus planos de lançamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos