Meta deve cortar os custos em 10% nos próximos meses

Meta deve cortar os custos em 10% nos próximos meses
Meta deve cortar os custos em 10% nos próximos meses
  • Em julho, a Meta tinha anunciado que a redução seria de 2% a 4%;

  • A empresa controladora do Facebook já começou a remanejar um grande número de funcionários

  • A Meta já reduziu os planos de contratar engenheiros em pelo menos 30%;

A Meta de Mark Zuckerberg está procurando reduzir seus custos em pelo menos 10% nos próximos meses, informou o Wall Street Journal nesta quarta-feira (21). O número relatado representa um grande salto em relação à previsão anterior de cortes de custos de cerca de 2% a 4% que a Meta anunciou em julho.

Para atingir seu objetivo mais recente, a controladora do Facebook já começou a remanejar um grande número de funcionários, reorganizando departamentos e fornecendo aos funcionários afetados uma janela limitada para se candidatarem a outras funções no Meta, segundo a reportagem.

A ideia por trás do movimento é conseguir cortes de pessoal. As reduções devem ser um prelúdio para cortes mais profundos, de acordo com o relatório. A Meta reiterou, por email na quarta-feira (21) seus planos de reduzir constantemente o crescimento do número de funcionários no próximo ano

Os negócios da empresa foram atingidos nos últimos meses, com o medo da recessão e as pressões competitivas atingindo as vendas de anúncios digitais. A Reuters informou em junho que a Meta havia cortado os planos de contratar engenheiros em pelo menos 30% este ano, enquanto se prepara para uma profunda crise econômica.

Zuckerberg ameaçava demissões desde julho

O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, disse em julho que esperava reduzir a força de trabalho da Meta, depois de anunciar o primeiro declínio na receita.

“Este é um período que exige mais intensidade e espero que façamos mais com menos recursos”, disse Zuckerberg a analistas.

O fundador do Facebook disse que, como o negócio de publicidade digital foi atingido, “as equipes vão encolher para que possamos transferir energia para outras áreas dentro da empresa”.

“Estamos diminuindo o ritmo de [nossos] investimentos e empurrando algumas despesas que ocorreriam no próximo ano ou dois para um cronograma um pouco mais longo,” finalizou ele.