Meta: por que novo nome do Facebook vira piada em Israel

·3 min de leitura
Mark Zuckerberg está ao lado do logotipo da Meta
Mark Zuckerberg ao lado do novo logotipo da empresa

O anúncio de que o Facebook está mudando seu nome para Meta causou grande repercussão em Israel nos últimos dias. Isso porque o novo nome da empresa fundada por Mark Zuckerberg, em hebraico, remete à palavra "morta".

Assim, várias pessoas em Israel usaram o Twitter para compartilhar sua opinião sobre o novo nome com a hashtag #FacebookDead (Facebook morto, em tradução literal).

"Em hebraico, 'Meta' significa 'morta'. A comunidade judaica ridicularizará esse nome por muitos anos", disse Nirit Weiss-Blatt, especialista em tecnologia, em um tuíte.

Voluntários do serviço de emergência Zaka, encarregados de coletar restos mortais para um enterro judaico adequado, participaram da discussão e disseram a seus seguidores: "Não se preocupem, estamos cuidando dele", referindo-se ao Facebook.

Mudança de nome

Ao anunciar a novidade, o Facebook disse que a mudança de nome não se aplica às suas plataformas individuais, como o Facebook, Instagram e Whatsapp, apenas à empresa que as possui.

Representantes da empresa disseram que as alterações conseguiriam "englobar" melhor o que ela faz, ampliando seu alcance para além das mídias sociais, chegando à realidade virtual e ao metaverso.

Nos últimos meses, o nome Facebook foi alvo de uma série de reportagens de denúncias e entrevistas com a ex-funcionária Frances Haugen, que acusa a empresa de colocar "lucros acima da segurança" — por exemplo negligenciando estudos que mostraram o impacto negativo do Instagram para a saúde mental das adolescentes ou tomando medidas pouco firmes para remover discurso de ódio de sua plataforma.

O fundador e diretor do Facebook, Mark Zuckerberg, atribuiu a mudança do nome a um contexto de de planos da empresa para construir um "metaverso" — um mundo online onde as pessoas podem jogar, trabalhar e se comunicar, muitas vezes usando aparelhos de realidade virtual.

Problemas na tradução

O Facebook não é a única empresa a ser ridicularizada pelas traduções de sua marca. Lembramos aqui de alguns exemplos de quando os significados se perderam na tradução:

Quando a KFC (rede de restaurantes dos EUA) chegou à China, nos anos 1980, seu lema "finger lickin' good" (algo como 'lamber o dedo é bom', em tradução literal para o português) não agradou muito aos habitantes locais. A tradução do lema em mandarim ficava: "coma seus dedos".

Mas isso não prejudicou muito a empresa. A KFC é uma das maiores redes de fast food do país.

Loja da KFC em Beijing
A frase da empresa KFC que dizia algo como 'lamber o dedo é bom' não caiu bem em mandarim

A Rolls-Royce mudou o nome de seu carro Silver Mist por problemas com a tradução em alemão, que remetia a "excremento". Assim, o carro foi renomeado Silver Shadow.

A Nokia lançou seu telefone Lumia em 2011 e não obteve exatamente a reação que esperava. Em espanhol, Lumia pode ser sinônimo de prostituta, embora aparentemente só apareça em dialetos com forte influência cigana.

A Honda conseguiu escapar de um escorregão semelhante: quase chamou um novo carro de Fitta, que é uma descrição vulgar para vagina em sueco. Aparentemente, o problema foi detectado no início e foi tomada a decisão de nomear o veículo como Jazz na maioria dos países.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos