Metade das publicações sobre Holocausto no Telegram negam ou distorcem fatos, diz ONU

Por Sarah Morland

(Reuters) - Cerca de metade do conteúdo público relacionado ao Holocausto no serviço de mensagens Telegram nega ou distorce os fatos sobre a morte de 6 milhões de judeus europeus, de acordo com um novo estudo da agência cultural das Nações Unidas.

O relatório da UNESCO concluiu que 80% das mensagens de língua alemã sobre o genocídio cometido por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial nega ou distorce os fatos, e o mesmo é verdadeiro para 50% das publicações em línguas inglesa e francesa sobre o Holocausto.

A pesquisa analisou 4 mil publicações relacionadas ao Holocausto em cinco importantes plataformas de redes sociais, e concluiu que há negação ou distorção em 19% do conteúdo no Twitter, 17% no TikTok, 8% no Facebook e 3% no Instagram.

O relatório definiu como distorção as publicações que celebram o genocídio, difamam ou culpam suas vítimas, e as igualam a outros eventos, como a política de Israel em direção aos palestinos, ou omitem fatos sobre os perpetradores nazistas e seus colaboradores.

Perguntado sobre o relatório, um porta-voz do Telegram disse: "O Telegram é uma plataforma de livre discurso na qual as pessoas são bem-vindas a expressar pacificamente suas opiniões, incluindo aquelas com as quais não concordamos".

O porta-voz afirmou que as publicações que glorificam ou encorajam a violência ou seus perpetradores são proibidas e removidas por moderação ou denúncias de usuários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos