Clarão no ceú do Paraná foi causado por queda de meteoro; assista

Câmeras de segurança flagraram momento em que meteoro causou clarão no céu do Paraná (Reprodução)

Um forte clarão acompanhado de um estrondo rasgou o céu no noroeste do Paraná e assustou moradores da região, na última sexta-feira (13).

O inusitado fenômeno foi a queda de meteoro, que se chocou com a atmosfera terrestre liberando energia e iluminando o céu no meio da noite.

Leia também

O barulho acordou moradores das cidades de Cianorte, Paranavaí, Londrina e Maringá, entre outras num raio de 50 km.

Vários entraram em contato com o Instituto Meteorológico Simepar para relatar o fenômeno, que ocorreu por volta das 5h30.

Pelo Twitter, o órgão explicou que não se tratava de um raio, mas que não possui equipamentos para identificar o fenômeno.

Assista este vídeo feito por câmera de segurança que mostra o momento do clarão no céu:

"Uma luz muito forte quase como o sol", escreveu uma pessoa que assistiu ao episódio em Douradina. O registro está no site do projeto EXOSS, especializado em astronomia. Imagens de câmeras de segurança também acompanham alguns dos 12 relatos que vieram da região.

A organização confirma que as pessoas presenciaram um bólido, ou seja, fenômeno de luz emitida por um grande meteoroide ou asteroide quando explode na atmosfera.

Com base nos relatos e vídeos, os pesquisadores conseguiram traçar uma trajetória preliminar do meteoro: foi de sul para o norte e teve como ponto de impacto final a cidade de Japurá, a cerca de 530 quilômetros da capital paranaense, Curitiba.

Eles ainda acreditam que o acontecimento gerou meteoritos, fragmentos de pedra que sobrevivem à passagem pela Terra e conseguem atingir o solo.

O astrônomo Eduardo Plácido Santiago, co-fundador do projeto EXOSS, conta que ainda não é possível obter dados mais específicos, como as medidas do fragmento. Mas, já descarta a possibilidade de se tratar de um cometa, que teria consistência menos densa que a observada.

Santiago explica que o que o fenômeno paranaense tem de diferente de uma simples estrela cadente é o tamanho da pedra. "A maioria delas é do tamanho de um grão de arroz, mas quando a gente registra uma do tamanho de uma melancia, é um evento atípico", explica.

Da FOLHAPRESS