Metrô, 50, tem pane e fecha trecho apressado por Alckmin

1 / 1
Metrô, 50, tem pane e fecha trecho apressado por Alckmin

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No dia em que completou 50 anos, o Metrô de São Paulo registrou nesta terça-feira (24) falhas graves em duas linhas de seu sistema.

Na linha 1-azul, que liga as zonas sul e norte da cidade, os trens pararam de circular, e todas as 23 estações foram fechadas após uma falta de energia elétrica nos trilhos.

Simultaneamente, na linha 15-prata do monotrilho, quatro estações recém-inauguradas às pressas pelo então governador Geraldo Alckmin (PSDB) também foram fechadas por falhas mecânicas.

As panes no dia do aniversário da empresa causaram um nó no deslocamento do paulistano. Na linha 1-azul, o problema foi detectado por volta das 8h50 entre as estações Vila Mariana e Luz. Minutos depois, a falha se estendeu por todas as estações, que foram esvaziadas em seguida por medida de segurança.

Avisos sonoros informaram os usuários sobre a suspensão da circulação dos trens, e apenas às 10h17 as plataformas passaram a ser reabertas.

A pane na linha 1-azul também provocou reflexos nas linhas 2-verde e 3-vermelha, que passaram a operar com velocidade reduzida.

Diante do caos diante de estações fechadas, a prefeitura colocou em circulação 40 ônibus para atender os passageiros afetados pelo metrô. Os veículos foram deslocados para as estações Tucuruvi e Santana (zona norte) e Jabaquara (zona sul).

Segundo o Metrô, a pane foi causada por pessoas não autorizadas que acionaram o equipamento de emergência das plataformas. O aparelho desliga a energia dos trens em situações extremas, como no caso de uma queda nos trilhos, por exemplo. A empresa disse que, por meio de imagens de segurança, procura identificar os responsáveis.

O Sindicado dos Metroviários, entretanto, afirmou em nota que, em apuração junto aos funcionários, constatou que a falha no equipamento de emergência não foi humana, mas do sistema.

"Atualmente faltam peças para reposição, o quadro de funcionários é reduzido e não há prioridade na política de prevenção para evitar e diminuir o número de falhas", afirmou o sindicato.

Por volta das 10h, a engenheira Roberta Fernandez, 33, era uma das dezenas de pessoas à espera de um ônibus em frente à estação Jardim São Paulo do metrô, na zona norte. "Já estou aqui faz uma hora e meia. Agora é esperar o caos passar ou chegar um ônibus. Já avisei no trabalho que não tenho hora pra chegar."

Para conter o fluxo de passageiros após a reabertura das estações, o metrô liberou apenas uma catraca nos locais para evitar tumultos. Reflexo disso foi a formação de longas filas nas estações, o que foi normalizado meia hora depois.

ESTAÇÕES INAUGURADAS ÀS PRESSAS

Além da pane na linha 1-azul, as recém-inauguradas estações da linha 15-prata, do monotrilho, foram fechadas nesta terça-feira.

Segundo o Metrô, a operação entre as estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União foi suspensa para conserto de um equipamento de via com falha e que ainda está na garantia técnica.

Esse trecho opera de forma assistida, sem cobrança de tarifa e em fase de testes para a rede. Apenas a circulação entre as estações Oratório e Vila Prudente está normal.

As quatro estações fechadas por causa dessa falha foram abertas às pressas no último dia de Alckmin no cargo de governador do estado.

Todas na zona leste, elas foram entregues incompletas pelo tucano, ainda exigem uma série de reparados para serem finalizadas e tiveram o ritmo de suas obras reduzido. Hoje, o sistema metroviário está sob a gestão de Márcio França (PSB), que assumiu o governo do estado neste mês.

Na semana em que deixou o cargo, Alckmin fez uma maratona de inaugurações de estações de diferentes linhas do metrô. A correria fez com que as estações Moema (entregue na quinta) e Eucaliptos (no começo do mês), da linha 5-lilás, e a estação Oscar Freire, da linha 4-amarela, fossem inauguradas com falhas.

No caso do monotrilho, as quatro estações só foram inauguradas graças a uma vistoria do Corpo de Bombeiros feita em cima da hora.

A correria para terminar as obras a tempo de Alckmin entregá-las ficou evidente nas falhas de acabamento. Pisos, corrimões e escadas rolantes ainda estavam cobertos de poeira da obra durante a visita de inauguração. Havia fios e conduítes soltos, e a parte de paisagismo seguia pendente --mudas de árvores estavam nos canteiros sem terem sido plantadas.

A Companhia do Metropolitano, que gere a rede de metrô, foi fundada em 24 de abril de 1968, sob gestão municipal, para que desse início à construção do sistema. Mais tarde, em 1978, a empresa passou para o controle do governo do estado de São Paulo.