Metrô de Buenos Aires restringe circulação e não permitirá viagens em pé

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, determinou que a partir desta sexta-feira (20), o serviço de metrô da capital argentina passe a funcionar de forma parcial e controlada.

Os trens das seis linhas só vão parar nas estações inicial e terminal e nas estações onde se faz baldeações. Além disso, só será permitido o transporte de passageiros sentados. Funcionários do metrô controlarão para que ninguém viaje de pé, evitando a aproximação das pessoas.

"Já com o pedido de que as pessoas que pudessem, passassem a trabalhar em casa, tivemos uma queda de 52% no uso do serviço. Esperamos chegar no mínimo possível, apenas para transportar enfermeiros, médicos, gente que precise trabalhar nesse período de pandemia", afirmou, em entrevista a jornalistas.

Diariamente, o metrô portenho costuma transportar 1.2 milhão de pessoas, e também faz conexões com trens que levam à Província de Buenos Aires, cuja redução do serviço também passará a ocorrer nos próximos dias.

Rodríguez Larreta, que é do partido do ex-presidente Mauricio Macri, afirmou que está trabalhando em "sintonia total" com o governo kirchnerista no caso do coronavírus. Ambos têm aparecido juntos nas entrevistas coletivas para mostrar coesão política em tempos de crise.