Metrô e CPTM passam a vender somente bilhetes com QR Code em SP

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL. 20/07.2020 - Estação Jabaquara do Metro. Bilheteria de estação e totens de venda de bilhete único sem marcação no piso . (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL. 20/07.2020 - Estação Jabaquara do Metro. Bilheteria de estação e totens de venda de bilhete único sem marcação no piso . (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As bilheterias de 16 estações do metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) começaram nesta segunda-feira (26) a vender somente os bilhetes digitais com QR Code. Esse tipo de passagem, lançada no ano passado, irá substituir o antigo tíquete unitário de papel, chamado de Edmonson. Não haverá mudança no valor da viagem em razão dessa substituição.

De acordo com a Secretaria de Transportes Metropolitanos, gestão João Doria (PSDB), a troca dos sistemas será feita gradativamente. A expectativa é de que, até o fim de maio, todas as bilheterias estarão adequadas ao novo padrão de vendas. A pasta informa que o novo modelo é mais seguro e proporciona economia de R$ 100 milhões por ano com a emissão dos tíquetes Edmonson.

Ao passar pelas catracas, o passageiro pode utilizar o novo bilhete impresso ou aproximar o celular do leitor indicado. "Após a compra na bilheteria, o bilhete é impresso para que o passageiro use nas catracas. Mesmo sem ter uma data de validade, no caso do Bilhete Digital QR Code impresso, a recomendação é de que ele seja utilizado em até 72 horas após a emissão para evitar que a impressão do código sofra danos", informa a secretaria, por meio de nota.

A pasta acrescenta que, "para garantir o melhor uso na sua versão em impressa, também é recomendado que não o amasse, dobre, rasgue ou molhe, inclusive com álcool em gel, para evitar que o QR Code seja inutilizado, e que, após o uso, o papel seja descartado na lixeira mais próxima".

O governo estadual assegura que os bilhetes unitários antigos continuarão a ser aceitos nas catracas, mesmo depois do fim da comercialização. "Ainda não existe uma data definida para que o antigo bilhete unitário deixe de ser aceito e, assim que haja essa definição, a população será comunicada com antecedência", afirma.

O passageiro poderá optar por comprar o novo bilhete pelo celular, sem a necessidade de passar pela bilheteria da estação. Para isso, precisa utilizar o aplicativo TOP, disponível para download gratuitamente nas plataformas Android e iOS. O pagamento pode ser feito com cartão de débito ou crédito e o limite de compra é de dez unidades por vez.

"Todas as estações da CPTM e do Metrô estão aptas para o uso do Bilhete Digital QR Code, impresso ou no celular, nas catracas sinalizadas e preparadas com a tecnologia para leitura do código", informa a secretaria.