Meu partido é o SUS, diz servidor do Ministério da Saúde que presta depoimento à CPI da Covid

·1 minuto de leitura
BRASILIA, DF,  BRASIL,  25-06-2021 - O servidor do ministério da saúde Luis Ricardo Miranda chega para depor na CPI da COVID. O servidor é irmão do deputado federal Luis Miranda, ambos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASILIA, DF, BRASIL, 25-06-2021 - O servidor do ministério da saúde Luis Ricardo Miranda chega para depor na CPI da COVID. O servidor é irmão do deputado federal Luis Miranda, ambos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao chegar na CPI da Covid, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda afirmou que não teve indicação política para atuar na pasta e que não tem filiação partidária.

"Meu partido é o SUS", disse.

Luis Ricardo contou que foi aprovado em concurso público em 2011 e que desde 2018 chefia a área de importação do ministério.

Ele presta depoimento ao colegiado para relatar suspeitas de irregularidades no contrato da pasta com a empresa Precisa para a aquisição de doses da vacina indiana Covaxin.

Ricardo Miranda chegou nesta sexta (25) dos Estados Unidos, onde estava em missão para viabilizar a importação de doses da vacina Janssen doadas por aquele país, conforme ele próprio relatou à comissão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos