Michel Teló traz interpretação de libras para trio e reúne multidão em SP

Gustavo Schmitt
1 / 2

Bem Sertanejo

Multidão acompanhou bloco Bem Sertanejo, comandado por Michel Teló

SÃO PAULO — Sai bloquinho temático, entra blocão com multidão, trio elétrico e estrutura de mega evento. Foi assim na tarde deste domingo, quando o bloco Bem Sertanejo, do cantor Michel Teló, embalou milhares de pessoas no Parque do Ibirapuera.

A estimativa dos organizadores é de que o público tenha chegado a um milhão de pessoas. A polícia militar não fez estimativa oficial, mas as ruas no entorno ficaram lotadas de foliões mesmo com o tempo nublado termômetros que marcavam 19 graus.

ENCONTRE SEU BLOCO: Rio de Janeiro • São Paulo • Belo Horizonte

Na sua segunda participação no carnaval paulista, Teló inovou desta vez ao apostar na inclusão. Havia tradução simultânea em libras. Em cima do trio elétrico, uma equipe fazia a interpretação das músicas do cantor para surdos, que acompanharam o show animados.

O cantor empolgou com canções de sua autoria como "Humilde Residência" e "Fugidinha". Como no quadro que fazia no Fantástico, da TV Globo, apostou em modas de viola de artistas consagrados. Teló emocionou ao cantar em coro com o público "Fio de Cabelo" e a canção "Moreninha Linda", um clássico de Tonico e Tinoco. Também apostou em hits de outros artistas como "Atrasadinha", de Felipe Araújo, "Praieiro", de Jammil e Uma Noites e "Não quero dinheiro", de Tim Maia.

Carismático, ele brincou e deu o tom do bloco, cujo público era em sua maioria de jovens. "Quem tá solteiro aqui?", indagou o cantor rindo para em seguida emendar um hino da pegação do carnaval de Salvador. "Sou praieiro, Sou guerreiro, Tô solteiro, Quero mais o quê?".

— A gente veio aqui para beijar mesmo. O meu coração é leve e já me apaixonei por várias — divertia-se o estudante de engenharia Marcos Silva, de 21 anos, que trajava uma camisa com os dizeres: "não deixe o coronavírus te pegar. Pega eu".

Os namorados João Vitor Moreira e Jessica Yamashita, ambos de 22 anos, faziam troça com os selfie de celular. Ele usava peruca e roupa igual de Jessica com uma plaquinha escrito "sem filtro". A dela era "com filtro". "Como ela é mais bonita está com filtro", brincava João.

Além da animação, o bloco também chamou a atenção pelo reforço na segurança e pela organização. As filas para os banheiros químicos não eram grandes. Além disso, havia barreiras de seguranças e revista dos foliões em todas as ruas de acesso ao parque.

A cobertura do carnaval de rua do jornal O GLOBO tem apoio de Ame Digital.