Michel Temer defende intervenção no Rio e destaca união de 'homens e mulheres de bem'

Diego Iraheta
Michel Temer defende intervenção federal no Rio de Janeiro.

O presidente Michel Temer repetiu na TV e no rádio a tônica de seu discurso de lançamento da intervenção federal no Rio de Janeiro nesta sexta-feira (16). "O crime organizado quase tomou conta do Rio de Janeiro, é uma metástase que se espalha pelo País", disse, usando as mesmas palavras do evento desta manhã.

O decreto do Palácio do Planalto será apreciado pelo Congresso Nacional a partir de segunda-feira (19). Se for aprovado, toda a segurança pública do Rio de Janeiro ficará subordinada diretamente a Michel Temer. O interventor a cargo das forças policiais do Rio será o general Braga Neto, que reportará a Temer.

"Tomo medida extrema pois assim exigem as circunstâncias", explica Temer, referindo-se ao avanço da criminalidade no estado. No Carnaval, foram diversos relatos de arrastões e roubos de veículos na capital fluminense. "O governo dará resposta dura e firme para derrotar o crime organizado", ressalta o presidente.

Tomamos esta medida extrema porque as circunstâncias assim exigem. O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para enfrentar e derrotar o crime organizado e as quadrilhas do RJ: https://t.co/qNNSCArUkhpic.twitter.com/jI2kDLYpvY

— Michel Temer (@MichelTemer) 16 de fevereiro de 2018


"A desordem é a pior das guerras; começamos uma batalha cujo caminho é o sucesso", disse Temer na TV. "Contamos com todos os homens e mulheres de bem ao nosso lado, sendo vigilantes."

De imediato, as Forças Armadas enviarão mais militares para as ruas do Rio de Janeiro com o intuito de devolver a sensação de segurança aos cariocas.

A presença das Forças Armadas no Rio de Janeiro não é novidade. Grandes eventos, como a Jornada Mundial da Juventude e os Jogos Olímpicos de 2016, foram acompanhados por integrantes do Exército.

"É intolerável que estejamos enterrando pais e mães de família", destacou Temer. Ele encerrou o pronunciamento comemorando que seu governo tirou "o...

Continue a ler no HuffPost